Sexualidade en Guiainfantil.com Brasil

Educação sexual das crianças

A criança é um ser sexuado, em relação consigo mesma e com os demais. A presença de manifestações e desejos sexuais em crianças, desde a pequena infância, foi uma das mais importantes polêmicas levantadas por Sigmund Freud, o pai da psicnálise, há quase um século. Imaginem o escândalo dessa tese para a sociedade da época! A partir dali os estudos sobre o tema não pararam, e hoje em dia, a educação sexual ocupa espaços em muitas escolas e em muitas famílias.

Falar de sexo com seu filho

É conveniente falar de sexo com seu filho desde o momento em que ele começar a conhecer seu corpo e a dar nomes. Para as crianças é muito importante que cada parte do seu corpo tenha um nome e não um apelido.

O que é pudor para as crianças

A partir dos dois anos é quando as crianças começam a perceber as diferenças entre os sexos e também é o primeiro passo para começar a reclamar um pouco de intimidade, ou começam a ter vergonha em determinadas situações. O pudor nas crianças.

Meu filho é homossexual?

A homossexualidade ainda assusta a muitos pais. Ainda não se sabe sobre como meninos começam a se comportar como meninas, ou por que se sentem atraídos por pessoas do mesmo sexo. Ignoram-se como chegaram a esta opção sexual.

Como o orgasmo muda após o parto

O corpo da mulher muda constantemente desde o momento em que se concebe um filho. As alterações físicas e emocionais que a futura mamãe vive são muito grandes, e não serão visíveis somente durante a gravidez, mas também após o parto haverá diferenças também no plano sexual.

Como falar de sexo com as crianças

A sexualidade é algo que faz parte de todas as pessoas. Os pais e as mães devem ser a figura que preste informação, forme atitudes e valores sobre a identidade, as relações e a intimidade nos seus filhos. A sexualidade aborda temas como o desenvolvimento sexual, a saúde reprodutiva, as relações interpessoais, o afeto, a intimidade, a imagem corporal e o gênero.

Sexo na gravidez

As gestantes que se encontram nas primeiras semanas de gravidez se preocupam em saber se as relações sexuais com seu companheiro podem causar danos ao bebê. No caso de gravidezes normais, a penetração não causa nenhum dano ao feto, já que está protegido no útero materno e rodeado de líquido amniótico.