Da lactância à papinha

Passar de dar o peito e a mamadeira à papinha requer paciência

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Até os 6 meses do primeiro ano de vida é estritamente necessário amamentar os bebês devido a que se complete a formação de suas funções intestinais por esta via (por exemplo, as enzimas que se encontram no estômago e intestino).

A partir dos 6 meses é necessário a mudança de alimentação não só porque é indicado oficialmente, como também o bebê vai progressivamente deixando de sê-lo e suas necessidades nutricionais mudam. O bebê já não pode manter uma alimentação somente com o leite materno. Isso levaria a uma desvantagem nutricional.

A mudança de alimentação requer ajuda e paciência. O primeiro é ter controle sobre as possíveis intolerâncias alimentares, por exemplo, algum alimento produzir diarréia, febre, aumento de temperatura, prisão de ventre ou outro tipo de enfermidades no bebê. O organismo do bebê deve ir se acostumando progressivamente.

Uma ajuda clara para a mudança da lactância à alimentação de transição, é a do Dr. Manuel Hernández, do Departamento de Pediatria da Universidade Autônoma de Madrid (UAM), e chefe do Hospital del Niño Jesus em Madrid.

Idade de introdução dos distintos alimentos na dieta do lactante

 
 Idade en meses 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12
 Alimentação                        
 Leite materno  x  x  x   x   x  x  -  -  -  -  -  -
 Fórmula início (NAN)  x  x  x  x  x  x  -  -   -  -  -  -
 Fórmula continuação (NAN)            -  -  x  x  x  x  x
 Iogurte                      -  -
 Queijo fresco                      -  -
 Farinha com glúten                  x  x  x  x
 Carne              -  -  x  x  x  x
 Peixe                    -  x  x
 Ovos                      -  x
 Batata/Cenoura              -  x  x  x  x  x
 Verduras folhas verdes                    -  x  x
 Frutas            -  -  x  x  x  x  x

Lembrem-se que por volta dos 7 meses a criança reconhece emoções primárias nas figuras que a cuidam de perto, portanto, se a mãe ou o pai se coloca muito tenso na hora de dar alimentos, o bebê poderá entender bastante a situação, colocando-se tenso também.

Para a mudança da lactância à alimentação de transição (leite tipo NAN), seguindo a tebela de anteriormente mencionada, o único problema se apresenta é a da autoridade e firmeza na decisão da mudança alimentícia, pois, quem sabe que precisam continuar crescendo são seus pais. É absolutamente Para el cambio de lactancia a alimentación de transición, siguiendo las recomendaciones de la tabla anteriormente mencionada, el único problema que se presenta es el de la autoridad y firmeza en la decisión del cambio alimenticio, pues, quienes saben lo que necesita para continuar creciendo son los padres. É absolutamente desnecessário manter o bebê somente com o leite materno após o primeiro ano. O bebê se verá num grande risco de desnutrição. 

Se o bebê chora porque não quer comer, e os pais recorrem ao pediatra, pode ser que ele recomende o uso de xaropes ou complementos para o apetite. Mas se ainda assim não cede o choro e não existe nenhuma intolerância alimentar deve-se pensar que os pais podem ter pouca tolerância aos choros ou muito temor de que seu filho não coma nada. O ritmo de alimentação de uma criança de um ano deve obedecer à sua necessidade nutricional, à sua atividade física e eliminação. Portanto, deve dar-lhe de comer até que tenha fome, porque ainda que seja algo que normalmente rejeite, com fome o aceitará. No início, introduzir um alimento novo demora uns 2 ou 3 dias e logo se estabelece um padrão de horários normal de alimentação. Exemplo: mamadeira pela manhã, fruta ou iogurte no meio da manhã, comida ou almoço, merenda, mamadeira ou janta pela noite segundo seja necessário.

(Katam de Jalab Atamatak - psicóloga)