Diagnóstico e tratamento da toxoplasmose

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Quanto antes diagnosticar a toxoplasmose, maior a possibilidade de cura. Quando se suspeita de que uma mulher grávida tenha contraído a infecção, pode-se realizar algumas análises de sangue para detectar anticorpos e outros exames para averiguar se tem o parasita. Quando o resultado é positivo, e se demonstra que a infecção é ativa, é recomendável que a mulher receba tratamento urgente com antibióticos no caso de diagnosticar que o feto ainda não está infectado, evitando assim possíveis riscos para ele.

O tempo é um fator decisivo. Quanto antes se trata a mãe, menos probabilidades terá o bebê de contrair os sintomas.

Tratamento dos fetos infectados pela toxoplasmose

As pesquisas para tentar desenvolver métodos mais eficazes para o diagnóstico e tratamento da doença durante a gravidez, como forma de prevenir as infecções no feto, continuam.

Os bebês infectados, entre eles também os que não apresentam sintomas, normalmente estão sendo tratados com medicamentos, cuja ingestão deve continuar durante todo o primeiro ano de vida e inclusive por mais tempo.

Um estudo comprovou que aproximadamente 75% dos bebês infectados que recebiam tratamento, tem uma inteligência normal e nenhum deles desenvolveu perda da audição.

Grande parte dos bebês contaminados que não apresenta sintomas ao nascer, não é submetido ao tratamento, já que não é diagnosticada a doença até que desenvolvam uma infecção ocular ou outros problemas, algumas vezes meses ou anos depois do seu nascimento. Em consequência, os bebês cujas mães são diagnosticadas com toxoplasmose durante a gravidez, devem ser submetidos a exames. Um tratamento precoce favorece uma boa recuperação.