A terapia infantil e os desenhos

Matisse diz que criar é expressar o que tem dentro de si. E é assim mesmo

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

O desenho não se ensina, sai de dentro da criança. Pode-se estimular a um bebê de um ano e meio, como, por exemplo, deixando-lhe que tenha contato com algum lápis. Convém utilizar os de cera que tem a ponta mais arredondada e são mais gordinhos. Nesta idade, muitas crianças já poderão segurar um lápis e fazer seus primeiros rabiscos.

A orientação é importante nesta etapa para que a criança não saia pintando as paredes, o chão, portas, etc. Outro cuidado é para que a criança não coloque o lápis na boca. Se você puder, compre para o seu filho uma mesinha adequada à sua altura para que ele possa desenhar com mais tranquilidade. No início ele fará rabiscos desordenados, irregulares e sem nenhum tipo de controle. Os rabiscos vão precisar de sentidos, mas funcionam como uma grande manifestação de prazer e diversão para a criança. 

As idades das crianças e os desenhos

a-terapia-infantil-e-os-desenhos A

- Aos 18 meses: a criança fará rabiscos sem parar, sem sentido e desordenado, mas se divertirá muito ao descobrir o mundo das cores e os traços. Ensinará a todos o que fez e será importante que o seu público lhe conteste positivamente. Sua coordenação motora nesta etapa ainda é muito precária. Esta etapa se denomina auto-expressão. Sentirá curiosidade pelas paredes, pelo chão, revistas, e tentará riscá-los de todas as formas.

- Aos dois anos: o rabisco passará a ser mais controlado e já terá outro sentido para a criança, que passará a notar que existe uma relação entre os rabiscos e o movimento da sua mão. A criança vai querer desenhar sem parar e usará mais de um lápis de cor para preencher a folha. Os traços do seu desenho ocuparão partes antes desocupadas do papel. A criança, nessa idade, começará a sentir curiosidade e a querer experimentar outros tipos de lápis e materiais. A experimentação predominará sobre a expressão.

- Aos 30 meses: a criança já será capaz de controlar um pouco mais os movimentos da sua mão, inclusive de segurar o lápis. Seus traços, já um pouquinho mais firmes, não sairão da folha. A criança terá uma melhor coordenação e é aí que aparecerá o desenho simbólico. Cada rabisco ou desenho que ela consiga fazer terá um nome e um sentido para a criança. Em razão disso, a criança passará a desenhar muito mais, já que passará a ver a sua criação como algo real. Um quadrado para ela pode representar uma casa, e um círculo, ainda que mal feito, pode simbolizar uma cabeça ou outra coisa. Nessa idade, a criança descreverá aos outros o que ela tenha desenhado, e esperará que entendam. 

- A partir dos três ou quatro anos: o desenho da criança se aproximará mais da realidade. A criança sentirá especial interesse em desenhar seu papai ou sua mamãe, ou o seu amiguinho, irmão, primo ou alguma outra figura humana. O uso de cada cor terá um significado para ela. Existem crianças que já demonstram preferência por algumas cores. 

- Aos cinco anos: a criança começará a desenhar mais detalhes nos seus personagens e a utilizar as cores mais adequadamente. Desenhará pessoas com roupa, carregando algum objeto.

- A partir dos seis anos: seus desenhos terão pormenores importantes como uma mão com cinco dedos, orelhas, cabelos distintos, pessoas sentadas, etc. A criança também se sentirá preparada para desenhar paisagens, flores no campo, frutas nas árvores, chaminés nas casas, rios e tudo aquilo que se propuser. É lógico que essas etapas necessitem de orientação. Sempre devemos considerar que cada criança é um mundo e que cada um tem sua própria habilidade, além do seu devido tempo para desenvolvê-la. E isso tem que ser respeitado e não forçar o momento.