O hipotireoidismo no feto

Os problemas da tireóide no feto

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Durante a gravidez, o bebê se encontra muito protegido em relação a um eventual problema de tireóide. Por um lado tem a possibilidade de usar os hormônios que o mesmo fabrica ou utilizar os da sua mãe que passam através da placenta. Assim, se o embrião ou o feto sofre uma falta congênita de tireóide, ele pode utilizar os hormônios que sua mãe lhe administra. Pelo contrário, se for sua mãe que tem um hipotireoidismo severo, o bebê poderá utilizar os hormônios que ele mesmo fabrica. Em ambos os casos, a criança nascerá absolutamente normal no seu desenvolvimento. 

Na gravidez, sal iodado contra o hipotireoidismo

o-hipotireoidismo-no-feto A

O problema acontece quando existe uma falta de iodo para a fabricação dos hormônios tireoidianos. Nessas circunstâncias não funciona bem nem a tireóide da mãe nem a do feto, e então sim existem problemas. Utilizar sal iodado nas comidas é a melhor maneira de assegurar uma ingestão de iodo adequada. 

Mas, quando falta iodo, a tireóide da mãe não pode fabricar a quantidade de hormônio tireoidiano necessária, a TSH da mãe se eleva e a tireóide da mãe cresce. Ao feto acontece o mesmo e também pode nascer com um pequeno bócio, além dos problemas de desenvolvimento que podem acontecer. 

Para você ter uma idéia da quantidade de iodo que você necessita na sua gravidez, você deve levar em conta que as necessidades de uma mulher são de 150 mcg diários, e que a gestante necessita é de 200 mcg. Além do sal iodado, os suplementos devem ser aconselhados pelo médico. Existe uma dose única ‘de choque’ para os primeiros meses de gravidez, ainda que também seja possível encontrar em alguns compostos do tipo polivitamínico. 

O funcionamento da tireóide no feto 

É regida pela ‘regra do três’: Se rige por la "regla del tres":

1. Três semanas após a concepção, quando a mulher sabe que está grávida começa a se formar o esboço do que será a tireóide da criança. 

2. Desde o terceiro mês da concepção, a tireóide do feto já é capaz de acumular iodo, funcionar e produzir seus próprios hormônios. 

3. Três semanas após o nascimento, o recém-nascido tem usado os hormônios que poderiam vir da sua mãe, esgotaram seus depósitos e começa a funcionar conectado com a hipófise (glândula pituitária). 

Efeitos do hipotireoidismo no desenvolvimento do feto

Quando a mãe não sabe que sofre de hipotireoidismo e a doença não está tratada com medicação existe o risco de aborto espontâneo durante o primeiro trimestre de gravidez. Se o embrião consegue superar o primeiro trimestre de gravidez, o hipotireoidismo materno pode dar lugar ao parto prematuro e a complicações durante a gravidez como a hipertensão ou a pré-eclampsia.

Por outro lado, diversos estudos têm revelado que as crianças nascidas de mães com hipotireoidismo durante a gravidez apresentam um coeficiente intelectual diminuído e transtornos no desenvolvimento psicomotor. No entanto, pesquisas recentes têm demonstrado que, com o tratamento adequado, as gravidezes com hipotireoidismo podem ser totalmente saudáveis, tanto para a mamãe como para o bebê. 

Marisol Nuevo