Como estimular crianças com Síndrome de Down

Vantagens dos estímulos em crianças com deficiência

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

A Síndrome de Down é um conjunto de sintomas e sinais que se manifestam no desenvolvimento global da pessoa desde o seu nascimento devido à trissomia do cromossomo 21 em todas as células do organismo.

Essa alteração cromossômica não tem nenhuma relação com a raça, estado socioeconômico ou problemas do meio ambiente, sendo um possível fator de risco a idade da mulher. No entanto essa variação genética pode apresentar irregularidades no desenvolvimento funcional da criança como: certo atraso cognitivo, falta de atenção, concentração, memória, lentidão no aprendizado, dificuldades na comunicação verbal... Aspectos que variam segundo a pessoa e seu desenvolvimento.

Habilidades sociais de uma criança com Síndrome de Down

A partir dos primeiros anos de vida, sim, entra em jogo o meio em que a criança vive. Uma vez que se inicia a evolução da criança ao seu crescimento como um todo, deve-se reforçar a estimulação da criança desde o primeiro momento. Ou seja, é importante expor a criança a estímulos que atraiam sua atenção e sua manipulação, como qualquer criança.

Abordando a dificuldade de atenção que apresentam em alguns casos, podemos reforçar o apego que se estabelece com a pessoa mais próxima da criança. Um apego pode gerar conotações positivas e negativas. O lado positivo do apego é que facilitam o acesso a estímulos que chamam sua atenção, como por exemplo, a brincadeira compartilhada entre a criança e o adulto, com atividades conjuntas como jogar bola ou montar peças de construção de um jogo. Assim estaremos favorecendo a manipulação, a coordenação e a atenção, fatores que também se estendem para facilitar a realização de atividades da vida diária, quando aparecem dificuldades no seu aprendizado.

Por outro lado, um excessivo apego pode limitar suas relações sociais, nas quais, em geral, já apresentam dificuldades devido aos fatores antes mencionados. Por isso é favorável aplicar uma brincadeira coletiva com crianças da sua mesma idade, com ou sem alguma deficiência, incentivando assim um aprendizado comunitário e colaborativo, que melhorará seu desenvolvimento em relação a essas habilidades sociais.

As necessidades de uma criança com Síndrome de Down

Como observamos o desenvolvimento de uma criança com Síndrome de Down não se afasta tanto da realidade infantil de uma criança sem deficiência. A única coisa que devemos levar em conta é que o progresso de suas habilidades, tanto motoras como intelectuais podem ter um curso mais lento do que o conhecido como padrão. No entanto, isso não deve limitar sua evolução infantil e social, porque é uma criança como qualquer outra, com a inocência de um pequeno descobridor impulsionado pela curiosidade inata, a qual gera múltiplas destrezas que podem levá-la a desenvolver uma vida autônoma e independente como qualquer outra pessoa.

Os adultos devem somente gerar os momentos oportunos e inclusivos, assim como uma adequação de recursos que lhe facilitem um progresso equivalente a cada etapa do seu desenvolvimento, por sua vez, sempre ajustados às suas necessidades. Não devemos esquecer que por trás de uma deficiência sempre reside uma pessoa disposta a lutar, e fazendo uso dos direitos humanos, por vezes, são relegados por priorizarem a deficiência antes da pessoa.

Vanessa Fuentes
Psicóloga clínica e social
http://psicovan.hostinazo.com/