O futebol. Esportes para as crianças

O futebol é uma linguagem universal de milhões de crianças no mundo

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

O futebol é uma linguagem universal de milhões de crianças no mundo. O jogo não é um privilégio, mas um direito fundamental das crianças, de acordo com a Convenção dos Direitos da Criança. O futebol desempenha um importante papel na preservação desse direito infantil. É uma linguagem universal de milhões de pessoas em todo o mundo, inclusive de crianças e adolescentes, independentemente de onde sejam, o idioma que falem, ou a religião que sigam.

Benefícios do futebol na infância

Beneficios do futebol para as crianças

O denominador comum é a bola, com a qual os meninos brincam numa quadra, no campo, nas ruas, em acampamentos, estacionamentos, inclusive em locais abandonados.
O futebol é o esporte mais popular do mundo. Em muitos lugares do mundo, especialmente na América do Sul e Europa, o futebol é muito mais que um jogo. É um estilo de vida.

Cada vez mais meninos se inscrevem em escolas de futebol, seduzidos em converterem-se em uma grande estrela do futebol mundial. As meninas também estão conquistando espaços dentro desse esporte. Muitas delas talvez mirando em Marta, brasileira eleita mais uma vez a melhor do mundo. A dedicação é cada vez maior.

Na etapa de crescimento, as crianças desenvolvem condições ideais para treinar a habilidade. A partir dos 5 anos de idade, a maioria das crianças está preparada para dar seus primeiro passos no futebol. Adaptam-se aos movimentos e podem apresentar melhor coordenação. Bem controlado e com uma adequada preparação, este esporte pode contribuir com grandes benefícios:

-  Aumentar a potência muscular das pernas. Melhora a capacidade cardiovascular.
-  Estimula a velocidade de reação, a coordenação motora, e a visão periférica.
-  Contribui com aumento da densidade óssea femural.
-  Aumenta a potência do salto.
-  Aumento dos níveis de testosterona, o que fará com que se forme mais tecido muscular.
-  Oxigena o sangue.

Além disso, o futebol sociabiliza as crianças, e lhes insere no gratificante trabalho em equipe. Alguns psicólogos afirmam que o futebol é uma boa ferramenta para afastar os mais jovens das tentações das drogas, da violência e do álcool.

A escola de futebol infantil

O futebol rapidamente se tornou uma paixão para os brasileiros, que frequentemente referem-se ao país como "a pátria de chuteiras" ou o "país do futebol". Segundo pesquisa feita pela Fundação Getúlio Vargas, o futebol movimenta R$ 16 bilhões por ano, tendo trinta milhões de praticantes (aproximadamente 16% da população total), 800 clubes, 13 mil times amadores e 11 mil atletas federados. Se você vê que seu filho demonstra habilidade com a bola, e acredita que ele é um futebolista nato, e mostra que quer seguir os passos dos seus ídolos, anima-o. Existem escolas de futebol por todos os lados.

Normalmente as escolas contam com treinadores, médicos e fisioterapeutas. As sessões de treinamento são divertidas. Na escola, seu filho não somente aprenderá técnicas e habilidades futebolísticas para driblar com a bola e marcar gols, como também trabalhará a dinâmica de grupo, a psicomotricidade, e ganhará confiança no terreno do jogo.

Algo que deve ser um alerta para pais que anseiam em ver o filho uma estrela do futebol, é para algo que vem acontecendo dentro do futebol nacional. Homens que se passam por  “olheiros”, e prometem mundos e fundos aos pais, que na sua ignorância entregam dinheiro nas mãos dessas pessoas que depois somem, deixando tanto os pais como os meninos frustrados.

Recentemente na mídia, noticiou-se que um pai, enganado, foi parar em Portugal, e o time que diziam ter prometido um lugar ao seu filho, sequer sabia de nada. Quando forem abordados por um “olheiro”, deve-se ter informações precisas de quem é, se tem algum credenciamento de algum clube de futebol, ou pela Federação Brasileira de Desportos, para não se tornarem vítimas de mais esse golpe.

Haverá, como em todos os esportes, riscos de lesões, como torções no joelho, tornozelo, entorses, inclusive fraturas, mas não são motivos para não jogar futebol. Nas escolas, podem preparar as crianças ensinando-as sobre os cuidados que devem ter para evitar esses acidentes. 

Para que o trabalho frutifique, as escolas podem treinar grupos divididos pelas diferentes etapas de idades. À medida que as crianças começam a superar-se nos treinamentos, e vão crescendo, passam ao seguinte grupo, e terão que praticar futebol mais vezes por semana. Aos 8 ou 10 anos de idade, as crianças começam a competir em campo e a treinar três vezes por semana, no mínimo.

Quanto mais idade, mais velocidade, e maior dificuldade. Fazem exercícios de velocidade, circuitos de resistência aeróbica, e se trabalha mais a forma física.. A categoria infantil está formada por crianças de uns 13 anos, e somente poucos chegam até ali. Alguns desistem pelo cansaço e outros porque sentem que não valem a pena para eles. Mas o futebol está presente em suas vidas. E ainda que não tenham chegado a ser profissionais do esporte, com certeza, o jogo contribuiu com inúmeros benefícios para sua saúde.

Futebol, um esporte para todos

As escolas de futebol estão abertas a todos, inclusive a crianças com alguma deficiência ou transtorno físico como a asma, alergia, síndrome de Down, hiperatividade ou surdez. Essas alterações não os impedem de jogar futebol. O esporte melhora sua relação com os demais, e lhes dão mais segurança em si mesmos.

A Unidef, reconhece que o futebol é um instrumento educativo valioso que pode ajudar as crianças a superarem traumas e frustrações. Crianças maiores podem recuperar a infância perdida através do futebol. A Unicef utiliza o futebol de muitas formas e em muitos países, para educar as crianças em suas relações com os demais, a divertí-los, a protegê-los da violência, dos abusos, e de outros males, e a conscientizá-los sobre AIDS, etc.

A história do futebol

O futebol, segundo alguns historiadores, pode ter sido originado no Japão, através do Kemari, um jogo de bola que se disputava ali no século V antes de Cristo. Logo, no século V, havia o calcio italiano, um jogo muito parecido ao futebol que se jogava nas praças públicas italianas. Os romanos jogavam com a bola, a esferomaquia, palavra que deu origem à bola.

No Caribe também jogavam um jogo parecido ao futebol chamado batú. No entanto, o nascimento do futebol, como o conhecemos hoje, pode datar-se de 26 de outubro de 1863, dia em que começaram a definir as bases do futebol que conhecemos. E se constituiu a Associação de Futebol, entidade que rege o futebol inglês até a atualidade. O Mundial de Futebol é a mostra do alcance e poder do futebol. Trata-se do acontecimento mais assistido do planeta.