A síndrome pós-férias e as crianças

Como ajudar as crianças a superar a Síndrome pós-férias?

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

De que forma a síndrome pós-férias pode afetar as crianças? A síndrome pós-férias afeta cerca de 15 por cento dos adultos, mas também afeta entre 5 e 8 por cento das crianças, principalmente os filhos de pais que também sofrem com os sintomas dessa síndrome.

Como prevenir a síndrome pós-férias

Como evitar a síndrome pós-férias nas crianças

Tristeza, apatia, queda de rendimento, falta de concentração, ansiedade e irritabilidade, são os principais sinais que podem indicar que uma criança esteja afetada pela síndrome. Se o quadro avança, as crianças podem sentir problemas físicos, dores de cabeça, de estômago e insônia.

A síndrome provoca doenças físicas e psíquicas nas crianças. Para prevenir esses problemas, os especialistas aconselham que os pais ajudem seus filhos a recuperar a rotina escolar pelo menos uma semana antes de começar as aulas. Para isso, sugerimos algumas recomendações para voltar à rotina, como por exemplo:

- Estabelecer novos horários para dormir e despertar. Pouco a pouco, ir ajustando o horário das férias com os do colégio. Isso ajudará a criança que não compareça no primeiro dia de aula cansada. Evitará que esteja irritada ou mal humorada.

- Determinar um horário, todos os dias, para que as crianças revisem o que foi estudado no curso anterior. Convém que dêem uma olhada nas tabelas de multiplicação, em algum tema de língua, de Inglês, para evitar alguma insegurança que possa sentir ao iniciar um novo curso.

- Não deixar tudo para a última hora. Nem a compra dos livros, nem do material escolar que ainda falta, da mochila, estojo, do uniforme ou roupa casual. As crianças poderão participar de tarefas como forrar e colocar seu nome nos livros, limpar os sapatos, etc. Isso evitará a ansiedade e a preocupação das crianças.

- Seria interessante que a criança entrasse em contato com seus melhores amigos da escola e encontrasse pessoalmente com eles para brincar, e assim quebrar um pouco o gelo do reencontro.

- Não se deve dar tanta importância quando a criança se queixa que tem que voltar ao colégio. Quem não gostaria de estar sempre de férias? Por essa razão não lhes dê muita confiança, e busque adotar uma atitude positiva quanto ao colégio para ele. Já verás que quando o pegar no colégio no primeiro dia, ele voltará encantado e contente, cheio de novidades para te contar.

A síndrome pós-férias, pode durar de dois dias a uma semana. Não se trata de uma enfermidade, portanto, não há que dar voltas ao tema. Que não se espalhe o pânico. É apenas uma etapa de transição. Só deverá preocupar-se de verdade, se no final de duas semanas, a criança continuar não querendo ir ao colégio. Seguramente será por outro motivo.