A Primeira Comunhão das crianças: uma festa social ou espiritual?

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Há alguns dias eu me encontrei com a catequista que, durante dois anos, esteve preparando a minha filha para a Primeira Comunhão e eu perguntei a ela como estava indo o trabalho. Com um tremendo desgosto desenhado no seu rosto, ela me disse que a cada ano a celebração perde o seu verdadeiro significado. Já são poucas famílias que se comprometem a viver este sacramento religioso como deveriam. Montam uma tremenda festa, a criança ganha viagens e um monte de presentes, e tudo o mais fica em segundo plano. 

O significado da Primeira Comunhão

a-primeira-comunhão-crianças-social-religiosa A 

A Primeira Comunhão, também conhecida como a ‘Primeira Eucaristia’ é uma festa religiosa, celebrada por cristãos católicos onde a criança recebe pela primeira vez o ‘corpo e o sangue de Cristo’ na forma de pão e vinho.

Há pouco tempo eu escutei numa estação de rádio um debate sobre este tema. Uma mãe ilustrou a discussão comentando a conversa que tinha tido com o seu filho. A criança queria com seus amiguinhos fazer a Primeira Comunhão a todo custo, mas ela não via claramente que o seu desejo correspondesse a uma celebração religiosa. A criança tinha ouvido dos seus amigos que, ao fazer a Primeira Comunhão, receberia um montão de presentes, festas, viagens, etc. Então a mãe perguntou ao filho: ‘você prefere fazer a Primeira Comunhão ou que a gente faça uma festa para você?’ E a criança respondeu: ‘uma festa!’. Com isso ela disse tudo. Será que as crianças que fazem a Primeira Comunhão sabem o que isso representa para elas?

As crianças aprendem o que é transmitido para elas. Enquanto na igreja, os catequistas ensinam o verdadeiro significado da celebração, em casa as crianças são testemunhas diretas que a preocupação central dos seus pais está orientada unicamente à celebração social, ou seja, a festa, a roupa, ao banquete e que tudo saia perfeito. Para você ter uma idéia de como a atenção de alguns pais não está orientada à celebração religiosa, quando minha filha fez a Primeira Comunhão, teve uma criança que esteve um dia antes para o ensaio, mas não no dia e hora da celebração.

Todos na igreja se perguntavam por que a criança não tinha aparecido na sua Primeira Comunhão. O padre, inclusive, atrasou a missa por alguns minutos, mas quando a catequista ligou para a casa da criança, seus pais lhe disseram que pensavam que a celebração seria pela tarde. Os pais presentes ficaram indignados e perplexos, com certeza. Mais tarde, soubemos que estes pais não tinham comparecido a nenhuma das reuniões em que foram convocados. E, ainda que a criança não tenha aparecido para a Primeira Comunhão, ela pôde desfrutar da sua festa e dos seus presentes.

E o seu filho quer ou não fazer a Primeira Comunhão? Você acredita que a Primeira Comunhão, na sua essência, está com os seus dias contados? O que se poderia fazer para conservar o verdadeiro sentido da Primeira Comunhão? 

Vilma Medina

Diretora de GuiaInfantil.com