O fracasso escolar deprime mais as meninas

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Talvez o fracasso escolar deprima mais as meninas, devido à condição histórica em que vivemos, desde quando o patriarcado se impôs como forma de organização da sociedade. O certo é que pesquisadores dos Estados Unidos confirmaram que os fracassos escolares poderiam impactar mais as mulheres do que aos homens. No entanto, o fracasso escolar é um termo muito questionado, já que não obter um título acadêmico não implica em que a pessoa seja necessariamente uma fracassada. 

O fracasso escolar feminino conduz a uma maior pobreza

Segundo protocolo desenvolvido pela Universidade de Washington, publicado no Jornal da Saúde do Adolescente (Journal of Adolescent Health), as adolescentes expulsas, suspensas ou que abandonavam os estudos secundários antes de se graduarem são mais propensas a sofrerem de depressão grave aos 21 anos do que os homens com experiências similares. Não se trata somente de que um fracasso escolar feminino precoce conduza à maior pobreza, necessidades maiores de assistência pública e baixa estabilidade, mas também se agrega a tudo isso, prejuízos na saúde mental das meninas. 

Felizmente, o estudo também assegura que, proporcionalmente, são menos mulheres que fracassam nos estudos. O estudo mostra que 45 por cento das meninas e 68 por cento dos homens que estudam e experimentou fracasso acadêmico importante, 22% das meninas tiveram problemas posteriores de depressão, comparando com os 17 por cento dos meninos. As meninas fracassam menos, no entanto, por serem mais severas do ponto de vista familiar, social e também psicológico, podem sofrer mais e reagirem ao fracasso de maneira pior.

Rosa Mañas

Redatora de GuiaInfantil.com