O cigarro. Perigo dobrado durante a gravidez

Os filhos de mães fumantes podem ser mais inquietos, nervosos, irritáveis e mais difíceis de consolar e atender, tal como acontece com os bebês de mães viciadas à cocaína ou à heroína. A afirmação poderia parecer um pouco exagerada, mas está avalizada pela experiência de Karen L. Law, autora de um estudo sobre o comportamento dos filhos de gestantes fumantes nas primeiras 48 horas de vida. 

A saúde dos bebês de mães fumantes

o-cigarro-perigo-dobrado-durante-gravidez A

A investigação foi divulgada pela revista americana, Pediatrics. Os pesquisadores asseguram que uma droga legal, como é a nicotina pode ter o mesmo efeito tóxico que as drogas ilegais e que por isso não é estranho verificar que quando os bebês de mães fumantes se separam do útero materno, em alguns casos mostram o quadro de abstinência próprio dos viciados em drogas. 

No entanto, e mais além dos casos extremos, de um modo geral os bebês de fumantes têm grandes probabilidades de nascer com baixo peso (entre 2.500 e 3.000g) ou prematuros, circunstâncias que comprometem sua saúde em curto, médio e longo prazo. A dificuldade que muitas mães têm para abandonar o hábito tem, neste caso, o estímulo de proteger o seu futuro bebê e a esperança em ter um filho saudável com bom desenvolvimento intelectual. 

Se você estiver grávida não espere mais e comece a deixar o cigarro hoje mesmo. Ser fumante passivo é igualmente perigoso, assim que tão pouco permita que fumem na sua presença e, por último, se você consegue se manter afastada do cigarro durante a gestação tente dizer adeus a esse vício de uma vez e para sempre, pelo seu bem e pelo bem dos seus filhos. 

Esperanza Díaz

Redatora de GuiaInfantil.com

  • Fumar durante a gravidez
    Fumar durante a gravidez

    O cigarro durante a gravidez. O cigarro não só causa danos a quem fuma, mas também a quem está ao seu lado e no caso da gestante, ao feto que estará se formando e crescendo no seu ventre. Fumar e expor às crianças a problemas de saúde é um ato extremamente egoísta.

  • Uma em cada duas crianças é fumadora passiva
    Uma em cada duas crianças é fumadora passiva

    Uma de cada duas crianças é fumadora passiva por conviver com pais fumantes e apresentam até quatro vezes mais doenças respiratórias que os menores que não estão expostos à fumaça do cigarro, além de apresentar outras doenças com maior frequência como a síndrome da morte súbita do lactente. Segundo os médicos, estas crianças podem sofrer de asma, bronquite e de enxaqueca.

0 comentários