A leucemia é o câncer mais frequente nas crianças

Crianças con leucemia, o câncer mais frecuente na infancia

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

O câncer é a segunda causa mais frequente de mortalidade infantil em crianças com idades compreendidas entre 1 e 14 anos e atualmente parece que a incidência dessa doença aumenta entre as crianças, daí a necessidade do diagnóstico precoce e de um tratamento eficaz.

Crianças com leucemia

Crianças com leucemia. Câncer no sangue

A leucemia é o câncer mais frequente na infância. A leucemia é uma doença maligna que acomete os leucócitos, os glóbulos brancos do sangue presentes na corrente sanguínea.  

Além de perder a função de defesa do organismo, os glóbulos brancos doentes produzidos sem controle, reduzem o espaço na medula óssea para a fabricação das outras células (que compõem o sangue) e elas caem na corrente sanguínea antes de estarem preparadas para exercer suas funções. 

Além disso, a leucemia interfere na produção de outras células sanguíneas como os glóbulos vermelhos e as plaquetas. Existem vários tipos de leucemia, mas aproximadamente 60% das crianças sofrem de leucemia linfóide aguda e aproximadamente 38% de leucemia mieloide aguda. A forma linfocítica da doença se dá com maior frequência em crianças pequenas, de 2 a 8 anos, com uma incidência maior na idade de 4 anos.  

Apesar do câncer, especialmente a leucemia, ser uma das doenças mais temidas, as probabilidades de cura são muito boas. Com um tratamento adequado, a maioria das crianças que sofre de leucemia supera a doença e esta nunca volta a aparecer. Nem sempre podem ser conhecidos ou controlar os fatores que desencadeiam a leucemia, mas há circunstâncias que parecem predispor crianças a desenvolver a doença.

A maioria não se deve a causas hereditárias. Estudam-se sobre possíveis fatores ambientais, a tratamentos anteriores contra o câncer, radiações durante a gravidez ou ao uso de imunossupressores para os transplantes de órgãos. Como essa doença não se pode prevenir, é de grande importância o diagnóstico precoce mediante os sintomas precoces que possam aparecer.

Em um exame diagnóstico, além de ser importante o histórico clínico da criança (doenças, medicamentos tomados ou tratamentos anteriores), se buscam sinais físicos como infecções recorrentes, anemia, sangramentos anormais, gânglios linfáticos inflamados ou apalpação de órgãos como o fígado ou o baço para comprovar o seu tamanho e o seu estado. 

Patro Gabaldón
Redatora de Guiainfantil.com