Coqueluche ou Tosse Ferina

Causas, sintomas e tratamento para a tosse das crianças

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

A coqueluche, também conhecida por Tosse Ferina, é uma doença respiratória infecciosa das vias aéreas, altamente contagiosa, que evolui entre 4 a 6 semanas e tem maior incidência nos meses mais frios. O período de incubação é de 8 a 14 dias e pode atacar a criança desde as primeiras semanas de vida.

Causas y contágio da Coqueluche ou Tosse Ferina

Criança com febre e tosse ferina

O contágio é por contato direto, através da saliva, da tosse ou espirros, e tem uma duração de 6 a 8 semanas, aproximadamente. Essa doença apresenta três fases:

Fase catarral: dura de uma a duas semanas e se caracteriza por tosse, espirros, apatia, febre baixa e falta de apetite.

Fase paroxística: dura entre 4 e 6 semanas e se caracteriza por acessos de tosse repetidas, por uma inspiração profunda e ruidosa (chiados). Os vômitos são produzidos pelo armazanemamento de mucosidade e a irritação da faringe. Esses acessos aparecem mais frequentemente durante a noite.

Fase de convalescência: dura de 2 a 3 semanas e se caracteriza por tosse persistente, mas sem acessos. Os sintomas vão paulatinamente diminuindo.

Causas da coqueluche ou tosse ferina

A coqueluche é uma doença extremamente contagiosa provocada pelas bactérias Bordetella pertussis e Bordetella parapertussis que ao entrar no organismo permanece incubada até 14 dias. Se desenvolvem no nariz, boca e garganta e após tal período de incubação invade o aparelho respiratório liberando nele suas toxinas produzidas que fazem com que haja superprodução do muco, impede a fagocitose e desregula a ação das células que fazem a fagocitose (macrófagos).

É transmitida duas semanas antes até três semanas depois do início da tosse após uma pessoa doente espirrar, falar ou tossir. Também pode se contrair a doença quando compartilha-se lençóis, copos e outros objetos pessoais.

Tratamento da coqueluche ou tosse ferina

É ambulatório sobretudo se são crianças maiores que a sofrem. Em alguns casos podem requerer internação para administrar oxigênio e alimentação por sonda com inclusão de líquidos com soro endovenoso. O uso de medicação broncodilatadora será inevitável. Não são úteis os antitussígenos. Serão indicados antibióticos em casos mais complicados de pneumonias e outros problemas pulmonares. A prevenção da coqueluche se realiza através da vacinação.

Em crianças, ela é distribuída gratuitamente em postos de saúde e é feita em três doses (aos 2, 4 e 6 meses de idade) e dois reforços (aos 15 meses e aos 4 anos), mantendo a imunização por aproximadamente dez anos. A vacina tríplice (DPT) é constituída de antígenos protetores contra a difteria, a coqueluche e o tétano.

É importante descansar muito, ingerir bastante líquidos, utilizar oxigênio e sedativos leves para controlar crises de tosse.