Sexo durante a gravidez

A grávida pode fazer sexo até o último mês da gestação

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

O sexo durante a gravidez continua sendo um tabu na cabeça de muitas mulheres. Muitas futuras mamães ainda têm dúvidas se é possível ter relações sexuais durante a gravidez sem que haja perigo para o bebê. Algumas mães se preocupam que na reta final aconteça algum problema que possa induzir ao início do parto ou causar algum dano ao bebê. 

Sexo na gravidez 

A realidade é que as relações sexuais por parte da mulher durante a gestação não causam ruptura das membranas nem parto prematuro. O sexo durante a gravidez tão pouco é prejudicial para o bebê, já que não há melhor amortecedor do que o líquido amniótico. 

A resposta dos médicos em relação ao sexo durante a gravidez, é que em condições normais, não existe problema algum para ter uma vida sexual normal e prazerosa durante a gestação. O bebê está protegido dentro do útero e o líquido amniótico atua como um colchão. 

No entanto, os obstetras desaconselham as relações sexuais no caso de algumas dessas circunstâncias: 

- Sangramento vaginal 

- Antecedentes de abortos espontâneos ou partos prematuros

- Contrações fortes após uma penetração 

- Placenta prévia

- Sinais de ruptura da bolsa gestacional

- Nas horas posteriores a uma amniocentese

Durante anos havia uma falsa crença de que o sexo nos dias prévios à data provável do parto poderia desencadeá-lo, inclusive que ajudava quando se havia passado a data, para provocar o início do parto. 

Um estudo realizado com mais de 1000 mulheres que foi publicado na revista Ginecologia BJOG revelou que nunca existiu diferença alguma entre as mulheres que tiveram relações sexuais no final da gravidez e as que se abstiveram. Portanto, o sexo não desencadeia o parto.

Alba Caraballo 

Editora de GuiaInfantil.com