O desejo sexual na gravidez

A alteração do apetite sexual das mulheres durante a gravidez

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

O desejo sexual na gravidez sofre numerosos altos e baixos, devido às grandes mudanças hormonais que a mulher experimenta. Não existem gravidezes iguais, nem tão pouco mulheres iguais. Os especialistas falam num aumento do apetite sexual na maioria das mulheres. Sentirem-se mais sensuais, mais tranquilas e mais próximas ao cônjuge, provoca em muitas grávidas, uma melhora na qualidade das suas relações sexuais.

Como varia o desejo sexual na gravidez

Durante o primeiro trimestre da gestação, muitos casais se sentem mais livres após longos períodos em que as relações sexuais estavam mais enfocadas na gravidez que ao desfrute. Por isso, sem preocupações momentâneas, essa é uma etapa em que muitas mulheres relaxam e desfrutam mais de suas relações sexuais.

As mudanças físicas no corpo da mulher, como o aumento das secreções vaginais e a maior irrigação sanguínea, também ajuda muito que a grávida lubrifique melhor, sinta mais desejo sexual e alcance mais e melhores orgasmos. 

O segundo trimestre é, segundo os especialistas, uma época de energia renovada para a grávida. Uma vez superados os possíveis incômodos iniciais da gestação, é muito provável que surja um crescente desejo sexual. Com certeza, também existem mulheres que, longe de desfrutar sexualmente dessa fase, sentem-se muito cansadas ou inapetentes liberarem sua sexualidade. As mudanças hormonais podem afetar de maneiras diferentes.

Em todo caso, a maioria das mulheres grávidas acaba experimentando uma perda do desejo sexual durante o terceiro trimestre, em parte devido ao seu aumento de peso e aos incômodos próprios dessa fase final.

De um modo ou de outro, os especialistas concordam que ter uma boa atividade sexual durante a gravidez é benéfico para o casal e também para o feto.

Enara Rey. Redatora de GuiaInfantil.com