Amniocentese, Ecografia e Triple Screening na gravidez

Exames para detectar possíveis anomalias cromossômicas no bebê e problemas de saúde da gestante

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Quando se trata de gravidez tardia, não somente os cuidados devem ser maiores, mas os controles mais profundos e mais exaustivos que nas gravidezes de mulheres mais jovens. A gravidez de uma mulher com mais de 35 anos pode ser vivida com tranquilidade, a única coisa é que exigirá alguns exames que antes não eram necessários. 

Os exames servirão para detectar possíveis malformações congênitas e também para comprovar e acompanhar o estado de saúde da mãe. Está comprovado que se o estado de saúde da mãe é bom, e segue uma orientação médica adequada, os riscos para determinados problemas associados à idade diminuem consideravelmente. 

Ecografias durante a gravidez

Normalmente se recomenda que se faça uma ecografia a cada três meses. A que se realiza entre a 11ª e a 14ª semana se mede a translucência nucal. A realizada entre a 18ª e a 20ª semana servirá para detectar malformações congênitas físicas.

Triple Screening em grávidas 

Através de uma simples análise de sangue da mãe se pode detectar a presença de três hormônios: alfa-fetoproteína (AFP), gonadotrofina coriônica e o estriol. Os valores são contrastados em uma tabela em que se leva em conta a variável da idade da mãe. Dependendo dos resultados se pode recomendar um exame mais seguro para detectar anomalias cromossômicas. 

Amniocentese na gestação 

A Sociedade Espanhola de Ginecologia e Obstetrícia recomenda o exame de amniocentese a todas as grávidas acima dos 35 anos. Trata-se da introdução, guiada por um ultrassom, de uma agulha fina no abdômen da mulher, de onde se extrai uma amostra, uma pequena quantidade do líquido amniótico (o líquido que envolve e protege o bebê na placenta) e se analisa as células do feto. Serve para determinar se o bebê apresenta alguma anomalia cromossômica como a Síndrome de Down ou algum transtorno genético específico que estiver afetando o feto. 

O exame é realizado entre a 15ª e a 18ª semana da gravidez. O exame não é doloroso e dura poucos minutos. Os resultados saem aproximadamente em uma ou duas semanas. Os riscos de um aborto espontâneo, ou de um sangramento são pequenos, ou inclusive a perda de líquido amniótico depois do procedimento, existe e é mínimo. Felizmente, cerca de 95% das mulheres que se submetem a esses exames recebem a boa notícia de que seu filho goza de saúde.