O significado da Árvore de Natal

A história do pinheiro de Natal e a sua tradição. Como montar uma árvore

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Parece impossível falar do Natal sem pensar na árvore de Natal. Em muitas casas, o pinheiro é o adorno principal dessas datas. Nós temos que voltar até o segundo e o terceiro milênio A.C. para descobrir as origens da árvore natalina. 

Naquela época, os povos indo-europeus que se expandiam pela Europa e Ásia celebravam o nascimento do deus da fertilidade, Frey, enfeitando uma árvore perene nas datas próximas ao Natal cristão. 

Com a evangelização desses povos, os cristãos tomaram essa tradição, mas transformando o seu significado, para celebrar o Natal e o nascimento de Jesus. E, com o passar do tempo, foi adotado o costume de enfeitar a árvore de Natal com luzes, anjos, laços, guirlandas, bolas coloridas, etc. 

Lendas da árvore de Natal

o-significado-da-árvore-de-natal A 

A árvore do menino Jesus. Conta a lenda que, na primeira metade do século VIII, um carvalho que os pagãos consideravam sagrado caiu sobre um abeto. Milagrosamente, esse ficou intacto, por isso foi proclamado a árvore do menino Jesus. Sua forma triangular dizia-se representativa da Santíssima Trindade, com o Deus Pai na parte mais alta. 

O abeto do cristianismo. Uma história muito similar à anterior diz que, também no século VIII, o monge inglês Winfrid cortou na Noite de Natal um carvalho que era utilizado nas festividades pagãs para oferecer vidas em sacrifício. Nesse mesmo lugar brotou, ‘milagrosamente’, um abeto, pelo que se decidiu usar essa árvore como emblema do cristianismo. 

A árvore luminosa. Outra lenda nos leva até o rei Artur. Diz-se que Percival, um dos cavaleiros da Távola Redonda, descobriu uma árvore cheia de luzes brilhantes, que se moviam como estrelas, enquanto buscava o Santo Graal ou cálice da última ceia de Jesus. 

Também o escritor Goethe, no seu livro ‘Werther’, fez menção a um frondoso arbusto cheio de caramelos e figuras religiosas. 

A árvore da vida eterna. Alguns contam que a origem da árvore deve ser atribuída ao monge inglês São Bonifácio. Diz-se que, em uma de suas viagens, encontrou um grupo de pagãos em volta de um grande pinheiro no instante que iam sacrificar a uma criança em honra ao deus Thor. 

Para evitar o sacrifício e salvar o pequeno. São Bonifácio derrubou a árvore com um poderoso e potente murro. O santo disse aos que estavam reunidos ali que esse pinho era a árvore da vida eterna de Cristo. 

Luzes de cores no bosque. Certa história conta que Martin Luther King, caminhando pelo bosque nas vésperas do Natal, ficou deslumbrado pela beleza de milhões de estrelas que brilhavam através dos ramos das árvores. 

Ficou tão impressionado que decidiu cortar uma pequena árvore e levá-la a casa. Ali recriou a mesma beleza que contemplou no bosque pendurando luzes coloridas. 

A história da Árvore de Natal 

A moderna árvore de Natal provém da Alemanha. Suas primeiras referências datam do final do século XVI, quando uma árvore foi decorada para ambientar o frio do Natal, costume que se difundiu rapidamente por todo o mundo. 

Até o século XIX chegaria a Grã Bretanha, França, Estados Unidos, Porto Rico, China e Japão. E a tradição do abeto decorado saiu da Inglaterra aos Estados Unidos, nos tempos da colonização. Atribui-se a August Imgard, um homem de Ohio, a instalação da primeira árvore natalina, em 1847. 

A partir desse momento, a cultura norte-americana tem sido simbolizada em matéria de decoração de Natal. Na Espanha, a árvore natalina chegou ao início do século XX. 

Como montar uma árvore de Natal 

As árvores natalinas têm diversos tamanhos, podem ser naturais ou artificiais, e possuir mais ou menos decoração, mas todas as árvores de Natal são montadas com o mesmo encanto e carinho. Quer montar uma? Aqui vão alguns conselhos: 

- Antes de começar a decorar a árvore de Natal é necessário escolher um lugar agradável e que tenha uma tomada próximo. Uma vez escolhido o lugar e montado os ramos do abeto é o momento de decorá-lo. 

- São colocadas as luzes, de baixo pra cima, distribuindo-as bem por toda a árvore. 

- Com a ajuda das crianças se colocam de forma homogênea os enfeites de Natal: anjos, pinhas, sinos, laços, bolas, estrelas, guirlandas, etc. Os enfeites mais pesados devem ser colocados na parte interior e os mais leves nas pontas dos ramos. 

- Por último se coloca o enfeite maior e mais pesado, uma estrela, um anjo ou inclusive um Papai Noel na parte mais alta da árvore de Natal para finalizar.