O difícil caminho do bebê prematuro até os braços de sua mamãe

Bebês prematuros: cuando a mãe não pode segurar seu filho recém-nascido nos braços

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Pequenos, mas grandes lutadores. Assim se intitula a introdução de um livro que acabo de ler sobre os bebês prematuros, os que chegam antes do tempo a esse mundo, os que nascem antes das 37 semanas de gestação, e que junto aos seus pais, lutam com todas as forças para recuperarem o tempo, algumas capacidades e sobreviver.

A difícil chegada do bebê prematuro

a chegada do bebê prematuro

A medicina tenta tardar o momento do seu nascimento ao máximo, mas nem sempre é possível. O bebê sai, e ao invés dos braços da mamãe, são levados para a incubadora. E ali começa uma grande batalha, a do bebê e a dos seus pais. Na Espanha, quase 8% dos recém-nascidos são prematuros, e ainda que a maioria consiga sobreviver, os casos de prematuridade continuam aumentando. 

No Brasil a prematuridade é a principal causa de morte em bebês de até sete dias de vida, chegando à porcentagem de 10,5%. Os dados são fornecidos pelo Ministério da Saúde em parceria com a Fiocruz. 

Ser mãe ou pai de um bebê prematuro é se vestir de incertezas quanto à evolução do seu filho. É um nascimento um pouco mais complicado, um duro trabalho de estimulações, manipulações, tratamentos e curas para que o bebê utilize todos os seus mecanismos físicos, psíquicos e emocionais e consiga sair da incubadora. 

É um ir e vir, sem limites. Às vezes mais lentos em alguns aspectos e mais rápidos em outros. Enquanto isso, os pais lutam contra seus fantasmas, seus sentimentos de culpa, seus medos e preocupações sobre o baixo peso e a aparência do seu bebê.

Creio que a vivência dos pais é a pior. Há alguns anos, uma amiga minha passou por isso, e me lembro de quão impotente ela se sentia. Só podia ver seu filho por um momento e tinha que deixá-lo no hospital para voltar para casa, e suas noites pareciam eternas. Tudo o que ela tinha programado para os primeiros dias com o seu bebê demorou um pouco mais. Mas, como a maioria dos bebês prematuros, seu filho sobreviveu, e lhe devolveu o sorriso que ela tinha perdido. 

Hoje em dia existe uma gama de livros interessantes sobre experiências de outras famílias e encontrar neles grandes conselhos para cuidar dos filhos prematuros, desde o seu nascimento até a adolescência.