Ensine ao seu filho a não discriminar e a respeitar as diferenças

As crianças não nascem racistas. Eduque o seu filho contra o racismo

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Pele branca ou negra, cabelo liso ou encaracolado, feio ou bonito... O que interessa a nossa aparência? Devemos assumir que todos somos diferentes em muitos aspectos e iguais em outros. E que todos somos importantes, nem melhor, nem pior, nem mais nem menos. Essa é a mensagem que sempre busquei passar para a minha filha desde quando era bem pequenina. Que não importa a cor nem a nacionalidade que uma pessoa tenha, e sim as suas boas virtudes e atitudes, porque acredito que as crianças não nascem racistas. Quem as tornam assim são as pessoas que convivem com elas. 

Como ensinar o seu filho a respeitar as diferenças

Como educar aos filhos na tolerancia

Em minha casa todos somos diferentes. Meu marido tem a pele clara e o cabelo castanho, eu tenho pele morena e o cabelo negro e liso e nossa linda filha é morena com os cabelos encaracolados. Mas, somos muito parecidos e em algumas situações quase iguais na nossa forma de ser, de pensar, sentir e agir. Além disso, ainda que tenhamos dupla nacionalidade vivemos em um país que não é aquele onde nascemos, onde se fala outro idioma e tem outros costumes muito diferentes do nosso país de origem. Ser diferente na nossa aparência e no nosso idioma nunca foi um problema, pelo contrário, a gente vê isso como uma riqueza, porque fomos educados assim. 

No entanto, isso nem sempre ocorre. Existe gente que não tolera nem aceita o diferente. As crianças, quando são muito pequenas, só se identificam como menino ou menina e não são capazes de categorizar alguém pela sua raça, mas à medida que vão crescendo e observando as reações dos seus pais, professores, amigos... Podem ou não olhar com olhos de discriminação aos que são diferentes. Por isso, me parece importantíssimo que falemos de raças com os nossos filhos com naturalidade para evitar a discriminação racial. 

Não sou nenhuma especialista em prevenção de discriminação racial, mas com minhas experiências, eu te deixo algumas respostas que você pode dar ao seu filho quando ele te perguntar: 

Por que essa criança tem outra cor de pele? 

‘Todos nós temos uma cor de pele diferente. Umas mais claras outras mais escuras. ’ Você pode dar exemplos como: ‘nossa pele é como as asas dos pássaros ou das mariposas. Ainda que seja o mesmo animal ou inseto, não existe uma mariposa que tenha o mesmo desenho e cor de asas de outra. E as nuvens, o belo está na diferença, não é verdade?’ 

Por que meu cabelo é liso e o seu é encaracolado? 

Diga ao seu filho que não somos todos iguais fisicamente ainda que sejamos mamãe e filho. Explique a ele que nas famílias uma filha pode se parecer com o seu pai ou com a sua mãe, mas nem sempre é assim.

E se o seu filho, alguma vez, chegar a casa fazendo algum comentário racista, ou chegue a tachar ao outro como ‘a menina negra’, ‘a criança chinesa’, ou ‘a criança loira’, corrija-o dizendo que ele deve chamar as pessoas pelo seu nome e não pela cor da pele ou pela aparência que tenham. E um conselho: procure incentivar que o seu filho brinque com crianças de raças diferentes, de distinto idioma ou condição social. Não há nada como a prática para derrubar tabus e preconceitos. 

Vilma Medina

Diretora de Guiainfantil.com