Como ensinar seus filhos a superarem os medos

Dicas para ajudar seu filho a superar medos e temores

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Muitas vezes desistimos de ajudar aos nossos filhos a superarem seus medos, seja porque ainda são muito pequenos e precisam de tempo, ou são medos arraigados na criança que são difíceis de tirar. Ser compreensivo e ter paciência com os medos do nosso filho são atitudes fundamentais, mas também devemos tentar que eles superem os medos que possam contribuir para uma grande limitação ou impedimento. 

Dicas para ensinar seus filhos a superarem os medos

Os medos mais comuns das crianças

A maioria dos temores infantis acaba desaparecendo com a maturidade, mas existem outros que persistem até a idade adulta, em maior ou menor grau. Ainda me lembro de que uma vez, vindo de carro para casa com meu pai e o veículo patinou perigosamente numa curva, devido a uma placa de gela na pista. Foi um susto danado e tememos pela nossa vida e aquilo marcou aquele dia.

No dia seguinte, meu pai pegou o carro e voltou à curva onde quase caímos do barranco. Por que ele fez uma coisa assim? Meu pai disse: 'Eu voltei para que você não ficasse com medo de andar de carro e saber que dessa vez eu tive o controle da situação'. Eu nunca me esquecerei disso. 

Uma má experiência pode provocar que nosso filho não queira realizar alguma coisa que antes desfrutava. Uma amiga me contou que sua filha praticava equitação aos quatro aninhos e adorava. Mostrava já certa destreza e habilidade junto ao animal, mas no final do curso ela caiu do cavalo.

Eles decidiram não renovar a matrícula para que sua filha pudesse superar o medo, já que a partir do acontecimento a pequena não queria voltar a montar num cavalo. Agora, a menina tem 12 anos e acabou encontrando escondido no guarda-roupa seu capacete de equitação e perguntou aos seus pais porque eles não haviam insistido em continuar com os cavalos. Como acertar então?! 

A decisão dos pais em algumas situações não é fácil. É fundamental que respeitemos a decisão que nosso filho tomou, mas as decisões não devem se basear no medo, principalmente porque não é fácil saber até que ponto a gente deve insistir ou forçar nossos pequenos a fazerem coisas que eles têm medo.

Talvez, a solução esteja em nossa compreensão, nossa paciência e nossa companhia ou na ajuda de algum adulto na hora de superar esses temores que as circunstâncias e a casualidade se colocaram no caminho. 

Patro Gabaldón. Redatora