Meu filho é homossexual?

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Uma mãe não sabe o que fazer porque na escola, a professora diz que o seu filho é muito inteligente, audaz, mas tem a tendência para brincar mais com meninas do que com meninos. Outra mamãe também tem a mesma preocupação. Seu filho, desde os quatro anos de idade, diz que gostaria de ser uma menina, não gosta de futebol, dança efeminado e está sempre atento ao que as meninas fazem para imitá-las. 

Na realidade, acredito que o que as mães querem saber é se os seus filhos são homossexuais, ou se tem tendência para sê-lo. Eu me pergunto por que esse tema da sexualidade se fala com tanto desconforto. Por que não falamos claramente sobre o assunto? A identidade sexual das crianças também faz parte do seu desenvolvimento. 

A identidade sexual das crianças

meu-filho-é-homossexual A

Pouco se conhece ainda sobre a homossexualidade. Tudo são perguntas: que critérios, quais os sinais que nos mostram se um menino ou uma menina é homossexual? 

Ainda não se sabe sobre como meninos começam a se comportar como meninas, ou por que se sentem atraídos por pessoas do mesmo sexo. Ignoram-se como chegaram a esta opção sexual. 

Será que todas as crianças que gostam de brincar com bonecas, bordar, cozinhar, ou brincar de cozinhar são homossexuais? Eu, particularmente, acredito que não. Hoje, felizmente, os papéis se mudam continuamente. 

Alguns homens se dão muito bem na cozinha, cuidam bem dos filhos, têm afinidade com a costura e nem sempre gostam de jogar bola. Outra dúvida é o que os pais podem fazer se notarem que o seu filho (a) tem comportamento homossexual. É possível mudar ou influenciar na identidade sexual das crianças? A primeira coisa que os meninos fazem quando notam que tem preferências diferentes dos outros é negar esta diferença. Logo, pensam que pode ser uma situação passageira (e pode ser), que com o tempo tudo vai mudar. 

Depois começarão a duvidar e a discutir consigo mesmo sobre a sua aceitação. Os pais passam pelo mesmo processo, e tanto um quanto o outro necessitam encontrar apoio e compreensão, principalmente no meio familiar. Acredito que devemos estar sempre ao lado dos nossos filhos, em qualquer circunstância, ajudando-os desde muito pequenos. Na verdade o que assusta aos pais não é a homossexualidade e sim o que o seu filho pode sofrer. A homossexualidade não é uma doença, não tem vacina nem tratamento, no entanto pode causar desconforto nas crianças. 

Vilma Medina

Diretora de GuiaInfantil.com