Como falar de emoções e sentimentos com as crianças

Criar laços afetivos e de confiança com os filhos?

Vilma Medina

Vilma Medina

A gente não deve apenas ensinar as crianças a raciocinarem, mas também a entenderem seus sentimentos e emoções. Nem sempre é fácil falar com nossos filhos de emoções e sentimentos, mas seria maravilhoso para eles terem oportunidade para falar abertamente seus mais íntimos pensamentos, sensações, frustrações, arrependimento, amor. Enfim, abrir seu coração.

Falar de sentimentos com os filhos

Como falar de sentimentos com os filhos

A comunicação entre pais e filhos é fundamental para que exista harmonia no lar e se estabeleçam fortes laços afetivos. Falar com eles sobre o que têm feito, aprendido, ou com quem tem estado é uma excelente maneira de conhecê-los. Mas na verdade o que os pais gostariam de saber é o que têm sentido, se estão tristes, alegres ou chateados. Esse é o início de uma confiança indestrutível.

Os laços de união são mais fortes quanto maior é a capacidade de falar de aspectos íntimos e individuais. Mostrar nossas fraquezas, nossos medos ou nossa alegria não nos torna vulneráveis dentro do seio familiar, mas nos torna mais humanos e naturais. Se os pais tentarem passar uma imagem de pessoas perfeitas, mais difícil para o filho também expressar seus sentimentos.

É importante reconhecermos que não é fácil falar ou demonstrar sentimentos aos nossos filhos. Muitas vezes os pais querem beijá-los, abraçá-los, dizer: 'eu te amo', mas por vergonha, pressa ou querer se mostrar duros, não dão vazão às suas emoções.

Melhor será que nossos filhos, quando quiserem rir, riam, quando quiserem chorar, que chorem, quando se sentirem injustiçados que peçam justiça, ou quando sentirem arrependimento, que peçam perdão. Nesse sentido, os pais continuam sendo o modelo que os filhos tentarão seguir, e aqueles que têm as ferramentas necessárias para ensiná-los a se expressarem com liberdade.

Muitos pais e mães sofrem muito diante da falta de expressão amorosa e sincera dos seus filhos a quem querem tanto. Outra coisa que os pais devem levar em conta é que cada filho nasce com uma personalidade própria. Compararmos com outros filhos que são mais estudiosos, mais amorosos, ou expressam melhor seus sentimentos, não ajudará em nada. Os pais devem valorizar cada conquista do filho e incentivá-los a melhorarem cada vez mais. Vale lembrar que cada vez é mais comum a depressão infantil, e isso também ocorre devido a falta de diálogo familiar.

Quando os pais não conseguem um vínculo emocional com seus filhos, suas relações se tornam apenas em convivência, simplesmente. Não existe muita emotividade, gratidão, troca. Quanto antes começarmos a demonstrar nossos sentimentos, emoções e desejos aos nossos filhos, e eles sentirem que em qualquer situação estaremos dando apoio e compreensão, o vínculo familiar será mais sadio e feliz. Que tal começar hoje mesmo a dizer um sincero 'eu te amo' para o seu pequeno?

Depressão infantil

Depressão infantil

A depressão, assim como a ansiedade, está crescendo entre as crianças. Já não são somente os adultos os que se deprimem. A depressão infantil pode surgir devido mudanças importantes na vida das crianças como pode ser resultado da perda dos pais, um divórcio ou problemas familiares, bullying, autoestima baixa, etc.

A baixa auto-estima infantil

A baixa auto-estima infantil

A baixa auto-estima nas crianças. O ambiente familiar é o fator que mais influencia na auto-estima das crianças. Constantemente nossa auto-estima se vê afetada pelas experiências e exigências que recebemos do mundo exterior. A sociedade exige que nos moldemos e que sigamos padrões de comportamentos, escolhas, iguais aos da maioria.

Reação dos filhos ao divórcio

Reação dos filhos ao divórcio

Quanto menor a criança, mais dificuldades terá para entender o porque da separação dos seus pais. A sua reação dependerá muito da forma em que os seus pais encaram o processo de separação.

Crianças sem valores e limites

Crianças sem valores e limites

Os limites e a disciplina na educação das crianças. Na era moderna, é comum vermos crianças sendo levadas a exercerem papéis e hábitos que nem seu corpo nem sua mente estão preparados, devido

Crianças Sensíveis. Suas emoções e sentimentos

Crianças Sensíveis. Suas emoções e sentimentos

A Criança Sensível é facilmente reconhecida. Ela possui habilidades e percepções da vida diferente das outras crianças. Ela vai do riso ao choro com facilidade e se emociona com situações do cotidiano, além de apresentarem traços incomuns em seus desenhos.

0 comentarios

Ad