Medo da escola. Fobia escolar

O que pode causar a fobia ou medo das crianças da escola

Vilma Medina

Vilma Medina

A fobia escolar é a rejeição prolongada que uma criança experimenta em ir à escola por algum tipo de medo. Este medo pode estar relacionado com fatores como a escolaridade (medo do professor, baixo rendimento escolar, problemas com os companheiros); os sucessos vitais negativos (doença prolongada, ruptura da união familiar) ou a ansiedade diante da separação dos pais (resistência em se separar da mãe), entre outros motivos. 

Sintomas da fobia escolar em crianças

medo-da-escola-fobia-escolar A 

Quando a criança chora na hora de ir à escola nem sempre se trata de fobia escolar. Por isso, há que diferenciar essa fobia do que chamamos rejeição escolar, que consiste em uma decisão consciente por parte da criança em se negar ir à escola, que nada tem a ver com a ansiedade que a fobia escolar produz. 

Sintomas fisiológicos: sudoração das mãos e do corpo, tensão muscular elevada, vômitos, diarréia, alterações na alimentação e nos hábitos de sono.  

Sintomas cognitivos: temor a tudo o que é relacionado com estar na escola sem poder especificar algum episódio específico. O interessante é que o temor desaparece quando volta da escola, e reaparece no dia seguinte, quando deve ir à escola.  

Sintomas no comportamento: conduta negativa. A criança faz um escândalo quando obrigada a se vestir ou a tomar café. Ela grita, chora e quando deve ficar na sala de aula o seu comportamento é muito perturbador. 

Diagnóstico e tratamento da fobia escolar em crianças 

Quando a criança emite e repete esses sintomas durante pelo menos 6 meses ela necessitará de uma atenção especial e inclusive de uma terapia para evitar possíveis repercussões nos estudos e na realização das suas tarefas escolares. As crianças, diferentemente dos adultos não reconhecem a situação como irracional. 

Antes de qualquer tratamento psicológico é recomendável ouvir o pediatra para que descarte que tais sintomas não estão relacionados com algum problema fisiológico. Quando se descartar a existência de problemas de saúde, será o psicólogo o encarregado de diagnosticar e tratar a fobia escolar com base em parâmetros específicos. 

Recomendações para os pais 

- Fale com seu filho, com seus irmãos, seus amigos e seus professores. 

- Adaptação paulatina. Convém que a criança vá se incorporando à escola pouco a pouco. 

- Companhia. Tente com que alguém conhecido da escola pegue a criança na porta e lhe acompanhe até a sala de aula. 

- Confiança. A criança deve procurar uma sala que tenha amigos ou o seu professor seja da sua confiança. 

- Familiaridade. É bom frequentar a escola em horários em que não haja aulas para que se familiarize com o centro educacional

- Atenção. Recompense a criança com sua atenção. Estabeleça um sistema formal de recompensas.  

- Atitude positiva. Evite alimentar com suas opiniões os comentários negativos da criança sobre a escola e a escolaridade. 

- Rotina diária. Organize uma rotina diária em relação a horários e normas.

- Amizades. Incentive as amizades escolares para que se estabeleçam também fora do centro escolar.  

Blanca Betes Tejero

Psicóloga clínica de Psiceduca

A criança não quer ir à escola

A criança não quer ir à escola

A negativa das crianças em ir à escola pode estar baseada num medo irracional. Para manifestar seu desgosto em frequentar a escola, a criança pode se queixar de dores de cabeça, de garganta ou de estômago justamente antes da hora de ir para a escola.

Os medos das crianças segundo sua idade

Os medos das crianças segundo sua idade

Ter medo é algo comum em crianças. Os medos das crianças são evolutivos, ou seja, vão mudando de acordo com a idade e isso dá lugar a que não se tenha medo das mesmas coisas na medida em que os pequenos vão crescendo.

O medo em crianças de 1 ano

O medo em crianças de 1 ano

Experimentar emoções como alegria ou tristeza é algo comum tanto em crianças como em adultos. A todas elas se acrescenta o medo. O medo em qualquer de suas modalidades na etapa infantil é algo universal estando presente em todas as culturas. Tem um valor importante que faz com que a gente fique alerta e assim poder nos proteger diante de possíveis riscos.

O medo em crianças de 2 anos

O medo em crianças de 2 anos

O medo é um sentimento normal e necessário em crianças. É uma condição natural que lhes ajudam a suportar as novas experiências que são muitas e a se proteger do perigo. Os medos vão aparecendo desde muito cedo e a maioria deles irão desaparecendo pouco a pouco à medida que o pequeno vá se sentindo mais seguro de si mesmo e do seu meio.

O medo em crianças de 5 a 6 anos

O medo em crianças de 5 a 6 anos

O medo, da mesma forma que outras emoções são necessárias no processo de aprendizagem das crianças no seu desenvolvimento. Portanto, são experiências que acontecem de maneira natural e normal durante sua evolução. Segundo a etapa em que a criança se encontra, os medos serão diferentes.

O medo em crianças de 3 a 4 anos

O medo em crianças de 3 a 4 anos

O medo pode aparecer desde idades muito precoces quando ainda nem entende o mundo que lhe rodeia. O medo vai mudando ao longo das etapas de desenvolvimento pelas quais a criança passa. Portanto, na medida em que vão crescendo terão medo de coisas diferentes.

0 comentarios