Sintomas da raiva em crianças

Doença infecciosa transmitida por animais ao homem

Vilma Medina

Vilma Medina

O índice de mortalidade da raiva é de aproximadamente 100%. Essa doença é transmitida pela inoculação da saliva e secreções do animal contaminado através da mordida e lambedura. 

Embora a vacinação seja gratuita em órgãos como Controle de Zoonoses em todo o Brasil, muitos animais de rua podem estar expostos e em muitas cidades ainda existem grandes quantidades de morcegos. A vacinação para evitar o vírus da raiva em cães e gatos deve ser feita a partir dos 4 meses de vida. Todos os anos existem no Brasil em diversas cidades campanhas de vacinação contra a raiva em cães e gatos. A vacinação é gratuita.  

Tipos de transmissão da raiva

animais-de-estimação-melhores-amigos-crianças 2A

- Aérea: morcegos hematófagos e não hematófagos.

- Rural: animais de produção. 

- Urbano: normalmente relacionados a cães e gatos.

- Silvestre: cachorros do mato, raposas, guaxinins, macacos e outros animais selvagens. 

Sintomas da raiva em humanos e animais domésticos

Em animais:

Geralmente apresenta dificuldade para engolir, muita salivação, mudança de comportamento (agitação), agressividade, mudança de hábitos alimentares e paralisia das patas traseiras. Em cães o latido se torna diferente do normal como se fosse um uivo rouco. 

Em humanos:

Alteração no caráter, inquietação, perturbação do sono, pesadelos, além de alterações na sensibilidade, queimação formigamento e dor na região da mordida. Esses sintomas podem durar de 2 a 4 dias. Logo em seguida acontece um quadro de febre acompanhado de alucinações e crises convulsivas periódicas. 

Tratamento contra a raiva infantil

No Brasil quase não se tem registro de raiva em humanos, mas uma vez detectada a raiva pode ser detectada por exame laboratorial. O Protocolo de Milwaukee (Protocolo do Recife) que deve ser aplicado o mais precocemente possível.  

Esse protocolo consiste, basicamente, na indução de coma, uso de antivirais e reposição de enzimas, além da manutenção dos sinais vitais do paciente.

Prevenção contra a raiva em crianças e adultos

Caso aconteça uma mordida ou contato com animal, mesmo se este tiver sido vacinado contra a raiva os procedimentos são os seguintes:

- Lavar imediatamente o local ferido com água e sabão.

- Levar a criança ao centro de saúde para avaliação e prescrição de profilaxia anti-rábica humana adequada.

- Não matar o animal, mas deixá-lo em observação por 10 dias para verificar algum sintoma da raiva. Caso haja algum sintoma da raiva no animal, levá-lo ao médico veterinário o quanto antes e iniciar o tratamento, uma vez que com onze dias o animal pode vir a óbito. Neste período o animal deverá receber água e alimentação normalmente e seguro para não atacar outras pessoas ou outros animais. Caso o animal venha a morrer voltar imediatamente ao centro de saúde. 

- A profilaxia anti-rábica não deve ser interrompida sem ordens médicas.

Pablo Medina

Redator Guiainfantil Brasil

A higiene na convivência das crianças e os animais de estimação

A higiene na convivência das crianças e os animais de estimação

A higiene e limpeza de cachorros e gatos que convivem com crianças. Se você deseja ter um mascote, mas tem dúvidas de que possa ser prejudicial ao seu filho, tire já essa dúvida. Ter um bichinho de estimação em casa, pode ser algo muito educativo para as crianças. Quer saber por que?

As crianças não devem ter hamsters, porco-espinho nem tartarugas em casa

As crianças não devem ter hamsters, porco-espinho nem tartarugas em casa

Cada vez mais aparecem animais de estimação exóticos nas redes sociais e em reportagens de televisão. Já é comum assistirmos a crianças pequeninas brincando com cobras, lagartos e outros animais, mas nem todos os animais podem se converter num animal de estimação para as crianças. Os pequeninos da casa, especialmente os menores de cinco anos não devem ter hamsters, porto-espinho, lagartos pequenos nem tartarugas devido aos riscos que representam para a sua saúde.

Crianças que sobreviveram entre animais

Crianças que sobreviveram entre animais

Yamato foi abandonado pelos seus pais num bosque do Japão como castigo. O que em princípio deveria ser uma lição acabou se tornando um pesadelo. O pequeno passou 6 dias num lugar povoado por ursos selvagens. No entanto, essa história conta com um final feliz. Yamato foi localizado com vida em uma cabana de madeira, mas estava sedento e morto de fome. Conheça outras histórias de crianças criadas por animais.

As raças de cachorro que melhor convivem com as crianças

As raças de cachorro que melhor convivem com as crianças

A convivência entre crianças e animais tem como em tudo, vantagens e desvantagens. Os inconvenientes são os que mais nos preocupam e têm relação com a higiene e possíveis contágios de doenças, mas isso se soluciona facilmente com limpeza e conselhos veterinários apropriados.

O contágio da raiva em crianças

O contágio da raiva em crianças

A raiva é uma doença transmitida tanto de animais para o homem e vice-versa. Uma vez contaminada, a mortalidade é de praticamente 100%, por isso os cuidados para prevenir e evitar acidentes com mordidas de animais é tão importante.

0 comentarios