Sintomas da raiva em crianças

Doença infecciosa transmitida por animais ao homem

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

O índice de mortalidade da raiva é de aproximadamente 100%. Essa doença é transmitida pela inoculação da saliva e secreções do animal contaminado através da mordida e lambedura. 

Embora a vacinação seja gratuita em órgãos como Controle de Zoonoses em todo o Brasil, muitos animais de rua podem estar expostos e em muitas cidades ainda existem grandes quantidades de morcegos. A vacinação para evitar o vírus da raiva em cães e gatos deve ser feita a partir dos 4 meses de vida. Todos os anos existem no Brasil em diversas cidades campanhas de vacinação contra a raiva em cães e gatos. A vacinação é gratuita.  

Tipos de transmissão da raiva

animais-de-estimação-melhores-amigos-crianças 2A

- Aérea: morcegos hematófagos e não hematófagos.

- Rural: animais de produção. 

- Urbano: normalmente relacionados a cães e gatos.

- Silvestre: cachorros do mato, raposas, guaxinins, macacos e outros animais selvagens. 

Sintomas da raiva em humanos e animais domésticos

Em animais:

Geralmente apresenta dificuldade para engolir, muita salivação, mudança de comportamento (agitação), agressividade, mudança de hábitos alimentares e paralisia das patas traseiras. Em cães o latido se torna diferente do normal como se fosse um uivo rouco. 

Em humanos:

Alteração no caráter, inquietação, perturbação do sono, pesadelos, além de alterações na sensibilidade, queimação formigamento e dor na região da mordida. Esses sintomas podem durar de 2 a 4 dias. Logo em seguida acontece um quadro de febre acompanhado de alucinações e crises convulsivas periódicas. 

Tratamento contra a raiva infantil

No Brasil quase não se tem registro de raiva em humanos, mas uma vez detectada a raiva pode ser detectada por exame laboratorial. O Protocolo de Milwaukee (Protocolo do Recife) que deve ser aplicado o mais precocemente possível.  

Esse protocolo consiste, basicamente, na indução de coma, uso de antivirais e reposição de enzimas, além da manutenção dos sinais vitais do paciente.

Prevenção contra a raiva em crianças e adultos

Caso aconteça uma mordida ou contato com animal, mesmo se este tiver sido vacinado contra a raiva os procedimentos são os seguintes:

- Lavar imediatamente o local ferido com água e sabão.

- Levar a criança ao centro de saúde para avaliação e prescrição de profilaxia anti-rábica humana adequada.

- Não matar o animal, mas deixá-lo em observação por 10 dias para verificar algum sintoma da raiva. Caso haja algum sintoma da raiva no animal, levá-lo ao médico veterinário o quanto antes e iniciar o tratamento, uma vez que com onze dias o animal pode vir a óbito. Neste período o animal deverá receber água e alimentação normalmente e seguro para não atacar outras pessoas ou outros animais. Caso o animal venha a morrer voltar imediatamente ao centro de saúde. 

- A profilaxia anti-rábica não deve ser interrompida sem ordens médicas.

Pablo Medina

Redator Guiainfantil Brasil