Crianças que sobreviveram entre animais

Vilma Medina

Vilma Medina

Yamato foi abandonado pelos seus pais num bosque do Japão como castigo. O que em princípio deveria ser uma lição acabou se tornando um pesadelo. O pequeno passou 6 dias num lugar povoado por ursos selvagens. No entanto, essa história conta com um final feliz. Yamato foi localizado com vida em uma cabana de madeira, mas estava sedento e morto de fome. 

Yamato teve muita sorte. O teria acontecido se não o tivessem encontrado? O pequeno seria adotado por ursos? Teriam ensinado a se comportar como eles? O caso desse pequeno de 7 anos traz a recordação de muitas outras crianças que foram criadas por animais. 

7 casos impactantes de crianças criadas por animais

crianças-que-sobreviveram-entre-animais A 

1. Víctor de Aveyron: O caso mais famoso de uma criança selvagem é o de Víctor de Aveyron, um menino de 11 anos que uns caçadores encontraram nu nos Pirineus, em 1799. Ninguém conseguiu averiguar sua procedência. François Truffaut criou a partir dali da sua história o filme ‘O garoto selvagem’. Víctor não conseguiu nunca se adaptar aos humanos. 

2. Lyokha: Se perdeu num bosque da Sibéria. Foi descoberto vivendo com lobos. Tinha 10 anos e um comportamento selvagem. Sua mentalidade era de uma criança muito menor e seus dentes estavam mais afilados. Mas, o pequeno escapou do hospital em que se encontrava e não se voltou, a saber, nada dele.

3. Djama: A lista de crianças criadas por lobos é numerosa. Em 1962 se descobriu um menino que vivia numa manada de lobos. Nesse caso, no Turcomenistão (ao sul da Rússia). Foi descoberto por um grupo de geólogos. O pequeno se perdeu no deserto com 4 anos depois que seus pais foram assassinados. Foi adotado por uma manada de lobos. Aprendeu a correr com ‘quatro patas’, a comer carne crua como eles, e inclusive contou que quando pequeno cavalgava sobre os lombos da sua mãe loba.

4. María Do Santos (Portugal): Foi encerrada por sua mãe num galinheiro desde quando ainda era um bebê. Desde pequena vivia como as galinhas. Quando a resgataram, aos 10 anos, a pequena caminhava e se movimentava como as galinhas e se alimentava do mesmo alimento dos animais. Tinha a idade mental de uma criança de 2 anos. 

5. Rochom P’ngieng: Se perdeu quando tinha 8 anos numa selva do Camboja. A encontraram 19 anos depois quando já tinha 27. Tinha o cabelo tão longo que chegava aos tornozelos. Estava suja e se comportava como um animal selvagem. Comunicava-se com grunhidos. Não se lembrava da sua antiga linguagem. Só se lembrava de três palavras: ‘papai’, ‘mamãe’ e ‘dor de barriga’. Preferia caminhar agachada e tentou escapar em numerosas ocasiões.

6. Natasha (Rússia): Foi abandonada pelos seus pais e criada por cachorros de rua. Aos 5 anos foi descoberta. A pequena andava sobre ‘quatro patas’ e se comunicava ladrando e comia como os cachorros. 

7. John (Uganda): Fugiu da sua casa o dia que viu como o seu pai assassinara sua mãe. Com somente 2 anos de idade ele entrou na selva e foi adotado por um grupo de macacos, que cuidaram dele durante três anos e lhe ensinaram tudo o que necessitava para sobreviver na selva até o dia que foi descoberto por uma mulher da tribo. Os macacos o consideravam como parte da sua família e eles resistiram muito em deixá-lo. John voltou a viver com os humanos e não demorou em recuperar o seu comportamento anterior à sua fuga. 

Estefanía Esteban

Redatora de GuiaInfantil.com

A violência que se pratica contra as crianças

A violência que se pratica contra as crianças

A violência que se pratica contra as crianças. Embora o dia 4 de junho seja declarado Dia Internacional das Crianças Vítimas de Agressão, não é um dia para comemorar nem celebrar.

Como aplicar os castigos nas crianças

Como aplicar os castigos nas crianças

Os castigos dos pais, mediante a violência física ou verbal são para a criança um modelo de conduta agressiva. Se a criança vive rodeada deste modelo, estará adquirindo o hábito de responder agressivamente às situações de conflito.

Os erros mais comuns que são cometidos com os castigos

Os erros mais comuns que são cometidos com os castigos

A psicologia tem demonstrado que, em poucos casos, ou castigo é efetivo. O objetivo na educação é consolidar as condutas positivas, e isso se consegue muito melhor com a recompensa. A melhor recompensa para a criança é a atenção dos seus pais.

Vá pensar no cantinho! Um castigo que não funciona

Vá pensar no cantinho! Um castigo que não funciona

É um dos castigos mais clássicos: colocar o filho para pensar no cantinho. Muitos pais o fazem quando a criança não tenha apresentado um bom comportamento. No entanto, os especialistas nos advertem que este tipo de castigo não funciona.

Os piores castigos do mundo a crianças

Os piores castigos do mundo a crianças

Yamato, de 7 anos gostava de atirar pedras contra carros e pessoas de vez em quando. Seus pais, fartos dessa situação decidiram dar-lhe uma lição. Levaram-lhe de carro até um bosque do Japão (no monte Komagatake), conhecido por ser refúgio de ursos selvagens e por suportar baixas temperaturas e o abandonaram. Só 10 minutos. Os suficientes. Yamato desapareceu. Castigos terríveis acontecem em todo o mundo. A gente compartilha alguns deles.

0 comentarios