Do que falam os contos e os livros às crianças

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Quantas coisas as crianças têm que aprender, não é verdade? A caminhar, a falar, escrever, brincar... Tudo é um aprendizado cujo êxito dependerá, em grande parte, do estímulo que os pais empreenderem. A paixão das crianças pelos livros é um desses despertares que depende, sobretudo do exemplo que lhes demos em casa, da nossa disposição e interesse para fazê-los mergulhar nesse maravilhoso mundo da leitura e dos livros. 

Acredito que não exista nada mais estimulador do que presentear um livro, uma história ou um conto às crianças. Um livro, um conto... São presentes ideais para começar a alimentar e nutrir a imaginação e a fantasia dos pequenos da casa. Hans Christian Andersen sem dúvida é um dos autores que mais contribuiu com a literatura infantil, com contos como O patinho feio, A pequena sereia e A roupa nova do imperador. 

O que as crianças aprendem com os livros

do-que-falam-os-contos-livros-crianças A 

Toda herança que Andersen nos deixou nos seus livros e contos nos fala de muitas coisas. Intensas e profundas são as mensagens que residem em cada um dos seus livros. O patinho feio, por exemplo, é um antigo exemplo de bullying, assédio e discriminação que envolve a um patinho que, ao nascer diferente dos demais foi desprezado por todos e inclusive pela sua própria mãe. É uma história ideal para fazer a criança refletir sobre a importância de valores como o respeito às diferenças ou à diversidade. Ensinar-lhes, por exemplo, que as aparências não são tão importantes e que as diferenças devem ser respeitadas. 

No conto A roupa nova do imperador, Andersen fala dos sentimentos tão enraizados na sociedade antiga e atual como são a injustiça, a arrogância e a intolerância. Fala, sobretudo, do mau uso do poder por parte dos governantes, reis, imperadores... Ele descreve a pobreza tão escravizada e marginalizada, dos espetáculos das execuções públicas, das tiranias tão aplaudidas. Nesse conto, o escritor conta como um vaidoso rei prefere fingir que vê a roupa confeccionada com um tecido invisível aos olhos, do que revelar ao seu povo que tinha sido enganado. 

Em A pequena sereia, Andersen fala do sacrifício e da disposição que alguém pode ter em dar tudo de si para descobrir uma nova realidade e conseguir realizar os seus sonhos. Contrariando a norma geral dos contos de fadas, o príncipe tem pouca importância na história. O heroísmo se aplica à coragem e à valentia de Ariel. É um dos poucos contos em que se insiste que quando se quer algo, isso lhe custa. Um aprendizado muito oportuno nesses dias em que sempre estamos defendendo a necessidade de incentivar o esforço nos nossos filhos

Vilma Medina

Diretora de GuiaInfantil.com