Como ensinar as crianças a compartilhar

Aprender a compartilhar é importante na educação de uma criança

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

O Natal está chegando, uma época muito especial, sobretudo para as crianças. As férias chegaram, assim como o Papai Noel e os Reis Magos carregados de presentes, e passamos muito tempo em família. Aprender a compartilhar deve ser algo que devemos fazer durante todo o ano, mas no Natal pode ser um momento propício para fazê-lo.

Em geral as crianças, quando são pequenas, tem muita dificuldade de compartilhar, passam pela etapa do “meu” e se chateiam muito quando outra criança, seja um amiguinho ou seu irmão pega seu brinquedo ou sua bola. Até os quatro anos, as crianças desenvolvem a teoria da mente, ou seja, não são capazes de se colocar no lugar dos outros, por isso temos que ensiná-los: “você tem que compartilhar porque você também gosta de brincar com os brinquedos dos outros”. Mesmo falando, ainda não são capazes de se colocar no lugar dos outros.

O que devemos fazer para ensinar a criança a compartilhar

Como as crianças podem aprender a compartilhar

1. Quando as crianças são pequenas, basta que tenhamos uma norma na família, “compartilhar”, o que deve coincidir com as mesmas normas que a escola infantil ou o colégio tenham. As explicações nessa idade tem que ser simples, “tem que compartilhar”, e quando não fizerem, tire a atenção da criança. Daremos atenção à criança ou ao irmão que esteja compartilhando. De nada adianta os grandes discursos que ainda não compreendem.

2. Quando a criança já é maiorzinha, a partir dos 5 anos, já podemos entrar com explicações mais complexas. Nessa idade, começam a ser capazes de colocar-se no lugar dos outros, e podem compreender que tem que deixar suas coisas porque eles mesmos gostam quando as outras crianças compartilham as suas.

O Natal é a data para compartilhar com as crianças

Incentivar o valor de compartilhar é algo que temos que fazer todos os dias do ano, não somente no Natal. No entanto, podemos aproveitar essas datas para fazer algo mais especial, como por exemplo, entregar nossa ajuda e nossas coisas aos que mais necessitam. Muitas vezes, na própria cidade, nos bairros ou em paróquias, são organizadas atividades para incentivar o compartilhamento não somente de brinquedos, roupas, mas também do tempo.

Existem muitas entidades que praticam o trabalho voluntário durante o ano todo. Assim podemos cantar canções de natal em asilos de velhinhos, brincar com crianças em creches, compartilhar o tempo, os brinquedos e o material escolar com os demais, como parte de um aprendizado para toda a vida.

O que não devemos fazer é castigar a criança por não compartilhar, ou dizer-lhe que é egoísta ou brigar com ela. O melhor é dizer-lhe que quando não compartilhar, não brincará com ela, e quando o fizer, a gente sim, brinca. É importante que a gente entenda que a criança não é “egoísta”, e sim que tem que aprender a compartilhar.

Compartilhar é muito mais do que o ato material de emprestar alguma coisa, abrange também outros valores como a entrega, a dedicação e o tempo. Para aprender a compartilhar o tempo, em certas ocasiões, são muito úteis as brincadeiras nas quais as crianças tenham que esperar que deem atenção a elas, enquanto a atenção está direcionada a outra criança que já sabe compartilhar.

Silvia Álava Sordo
Psicóloga