Compartilhar, um valor importante para as crianças

Aprender a compartilhar significa se colocar no lugar do outro

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

As festas natalinas se aproximam. Uma época muito especial, sobretudo para as crianças. Vêm as férias, Papai Noel chega com muitos presentes e passamos mais tempo junto com a família. Aprender a compartilhar é algo que deve ser ensinado durante o ano todo, mas o Natal é uma época propícia para fazê-lo. 

Para as crianças, quando são pequenas é muito difícil compartilhar, passam pela etapa do “meu” e se chateiam quando outra criança, mesmo que seja um amiguinho ou irmão, pegue algum brinquedo seu ou uma bola... Até os quatro anos, as crianças não são capazes de se colocar no lugar de outras, por isso não adianta dizer a elas: “você tem que compartilhar porque também gosta que outras crianças emprestem seus brinquedos”. Evolutivamente falando, ainda não são capazes de se colocar no lugar dos outros. 

O que devemos fazer para ensinar a criança a compartilhar

Ensinar a compartilhar às crianças

1. Quando as crianças são muito pequenas, basta que digamos que existe uma norma na família, que é compartilhar, que deve coincidir com o ensino na escola ou no colégio. As explicações nessa idade têm que ser simples: “você tem que compartilhar” e quando não obedecem, basta tirar a atenção da criança, e daremos atenção à criança ou ao irmão que está compartilhando. De nada adianta os grandes discursos ou conversas que ainda não compreende, se ainda dermos muita atenção a ela. 

2. Quando a criança já for maior, a partir dos cinco anos, já podemos entrar em explicações mais complexas. Nessa idade, começa a ser capaz de se colocar no lugar dos outros, e pode chegar a entender que tem que compartilhar suas coisas porque também gosta quando os outros compartilham com ela. 

O Natal é a data para compartilhar com as crianças

Incentivar o valor de compartilhar é algo que temos que fazer todos os dias do ano, não somente no Natal. No entanto, podemos aproveitar essa data para fazer algo mais especial, como por exemplo, entregar nossa ajuda e nossas coisas aos que mais necessitam.

Muitas vezes, trabalhos da prefeitura da cidade, ou orfanatos, entidades sociais e entidades de bairro ou paróquias, organizam atividades para as crianças, que implicam em compartilhamento, não somente dos brinquedos, mas também o tempo. Assim as crianças podem cantar canções de Natal em abrigos de velhinhos, brincar com outras crianças, compartilhar o tempo, os brinquedos e o material escolar com os outros, como parte de um aprendizado que devemos incentivar as crianças durante o ano todo. 

O que não se deve fazer é castigar a criança que não compartilha, ou dizer para ela que é egoísta ou dar uma grande bronca nela. É melhor dizer que quando não compartilha então a gente não quer brincar com ela, e quando compartilha, sim. É importante que entendamos que a criança não é “egoísta”, mas que ainda não aprendeu a compartilhar, porque quando ainda são pequenos é muito difícil para ela entender que quando emprestam algo a alguém, esse alguém pode lhe dar algo em troca e que logo trocarão os brinquedos ou os objetos de volta. 

Compartilhar é muito mais do que a ação material de emprestar algo, envolve também outros valores como a entrega, a dedicação e o tempo. Para aprender a compartilhar o tempo, a criança vai compreender e ter que esperar a sua vez. É a brincadeira por turnos, ou seja, ela terá que esperar a sua vez para entrar na brincadeira. Uma criança de cada vez.  

Silvia Álava Sordo
Psicóloga
Colaboradora de GuiaInfantil.com