10 mitos sobre a infertilidade masculina

Mitos que se perpetuam sobre a fertilidade masculina

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

A infertilidade é a incapacidade de engravidar após mais de doze meses tentando, e afeta aproximadamente 15 por cento dos casais. Dentro dessa porcentagem, entre 30 e 35 por cento, se deve a causas masculinas.

A mesma porcentagem acontece por causas femininas e o restante a ambos ou por motivos desconhecidos.

Falso e verdadeiro sobre a infertilidade masculinaQuando a homem é infértil?

No entanto, a infertilidade masculina tem sido há muito tempo um tabu para os homens e também para as mulheres.

Justamente por isso, o tema tem sido objeto da criação de muitos mitos, uns verdadeiros e outros falsos.

Por esse motivo o doutor Alberto Pacheco, diretor do Laboratório de Andrologia de IVI, responde a 10 perguntas mais comuns que os homens fazem durante a consulta na hora de ter filhos, com o objetivo de desmistificar os mitos que normalmente se perpetuam sobre a fertilidade masculina.

1. A infertilidade masculina é um problema psicológico

FALSO
Na imensa maioria dos casos não é. Basicamente se trata de um problema físico, que ocorre devido uma deficiente função testicular, ou também por problemas anatômicos ou urológicos de outro tipo. Quando se deve a uma alteração do primeiro tipo, isso pode provocar que haja menos espermatozoides do que o normal na ejaculação, uma produção de espermatozoides com alterações funcionais (baixa mobilidade espermática, por exemplo), ou inclusive uma ausência total deles. Ainda assim, em uma porcentagem dos homens pode existir problemas psicológicos que impedem ou dificultam uma correta relação sexual. Um exemplo são os problemas de ereção.

2. Alguns medicamentos podem causar infertilidade

VERDADEIRO
Efetivamente, existem alguns medicamentos, especialmente os empregados no tratamento contra o câncer, que alteram parcial ou definitivamente a função testicular, e portanto, a produção de espermatozoides. Hoje em dia existem meios para que os pacientes com câncer possam congelar seus espermatozoides antes da quimioterapia para que não sejam afetados.

3. A abstinência sexual melhora a fertilidade

VERDADEIRO
É verdade que a abstinência sexual, em função da sua duração, influencia na quantidade e qualidade dos espermatozoides presentes na ejaculação. Quando a abstinência é de menos um dia, podem ser geradas ejaculações com um menor número de espermatozoides, enquanto que abstinências prolongadas (aquelas de mais de uma semana) podem provocar uma diminuição na mobilidade dos mesmos. Por isso, para analisar a qualidade espermática de um homem mediante uma análise do sêmen, a OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda fazê-lo após um período de abstinência de dois a sete dias.

4. O aumento da temperatura dos testículos afeta a fertilidade

VERDADEIRO
Os testículos estão separados do resto do corpo, unidos unicamente pela bolsa escrotal, justamente para manter uma temperatura dois graus a menos do que a do resto do corpo. Por isso, o aumento da temperatura nos testículos de maneira prolongada e constante, como pela utilização de roupa íntima muito justa ou pela exposição constante ao calor por motivos de trabalho ou profissional, afeta a produção de espermatozoides.

5. A alimentação e hábitos de vida influenciam na fertilidade

VERDADEIRO
O consumo exagerado de álcool, fumo e drogas, assim como os maus hábitos alimentares, afetam de maneira significativa a fertilidade, reduzindo não somente a quantidade de espermatozoides, mas também sua qualidade. Do mesmo modo, existem determinados alimentos ou nutrientes com alta atividade antioxidante (como as frutas vermelhas e as vitaminas C e E, dentre outras) que podem contribuir de certa forma para melhorar a qualidade espermática. No entanto, desde o ponto de vista científico é difícil quantificar o efeito concreto de cada um desses nutrientes no aumento da fertilidade masculina.

6. Alguns esportes de risco podem causar infertilidade

FALSO
Ainda que possa ocorrer, não tem motivo para tal. A infertilidade só pode ser provocada na prática de esportes de risco ou em qualquer outra atividade física quando causa dano ou lesão nos testículos ou no aparelho reprodutor masculino. Excepcionalmente pode ocorrer em esportistas profissionais, como no caso dos corredores de maratonas ou outros profissionais de alto desempenho, em que já existem estudos comprovados sobre a relação.

7. O estresse influencia na produção de espermatozoides

VERDADEIRO
De certo modo, sim, pode influenciar. As situações de estresse têm repercussão na atividade hormonal, que por sua vez regula a função testicular, com a qual pode diminuir a produção de espermatozoides.

8. A idade é um fator determinante na fertilidade

VERDADEIRO
A idade do homem não é tão determinante como no caso da mulher, já que a produção de espermatozoides se mantém até idades bastante avançadas. Mesmo assim, está descrito que com o aumento da idade os homens produzem menos espermatozoides. Além disso, existem determinados parâmetros funcionais ou genéticos que podem ser afetados com a idade.

9. A infertilidade pode ser herdada

VERDADEIRO
Quando a infertilidade é de origem genética, como nas mutações ou nas microdeleções que afetam os genes relacionados com a produção de espermatozoides, sim, se podem herdar os problemas de fertilidade e transmiti-las para os filhos.

10. A vasectomia torna o homem infértil

FALSO
Após a vasectomia, não se produz a saída de espermatozoides na ejaculação. Com isso, se elimina quase cem por cento a possibilidade de uma gravidez, mas o homem continua sendo fértil. É uma técnica simples e muito eficaz de controle de natalidade. O único inconveniente que apresenta, é que a reversão nem sempre é eficaz em todos os homens.  

Alberto Pacheco, diretor do Laboratório de Andrologia de IVI.

Marisol Nuevo. Redatora