O uso de medicamentos durante a amamentação

A segurança dos remédios durante o período de amamentação

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Os medicamentos são contraindicados durante a gravidez, mas o que ocorre quando o bebê já nasceu? As mamães podem tomar remédios durante o aleitamento? É uma das dúvidas mais comuns das mamães de primeira viagem. 

Segundo um informativo do Comitê de Aleitamento Materno da Associação Espanhola de Pediatria, chamado “Remédios e o Aleitamento Materno”, mais de 95% dos remédios que se vendem em farmácias tem como recomendação evitar o medicamento enquanto estiver amamentando ou suspender o aleitamento materno.

Aleitamento materno e remédios

Muitas mulheres ficam preocupadas diante das bulas de remédios cada vez que ficam doentes. No entanto, estima-se que 90% dos remédios são compatíveis com o aleitamento materno. Mesmo assim, muitas mães decidem não tomar uma medicação que provavelmente necessitem, por medo ou por culpa. 

É normal a dúvida se o medicamento afetará ao bebê, chegando a ele através do leite. Como já dissemos normalmente a maioria dos remédios não tem risco algum para o bebê, já outros, sim. 

Para que haja risco devem estar em três situações: 

1) que o sangue absorva e transporte o remédio. 

2) que o remédio passe ao leite (quase todos os remédios passam, em quantidades mínimas). 

3) que o remédio produza um efeito negativo para o seu filho.

Devemos levar em conta que na maioria dos casos, a quantidade que passa é ínfima. 

Outras vezes, pode ocorrer que o remédio, ainda que não produza nenhum efeito sobre o bebê, mude o sabor do leite e se isso acontecer pode ser que o pequeno o rejeite. 

E por último, lembre-se que a fitoterapia ou o uso de plantas medicinais pode produzir efeitos no bebê, na quantidade do leite e alterar o seu sabor. E muitas vezes, por ser considerado ‘mais natural’ pensamos que traz menor risco, mas mesmo da mesma forma que se deve ter com os remédios deve ter com os fitoterápicos. 

Resumindo, durante o aleitamento, a quantidade e a segurança na ingestão de remédios é maior que na gravidez, onde existe uma maior restrição. 

Para mais segurança, é importante sempre continuar contando com uma orientação médica na necessidade do uso de qualquer remédio e assim evitar riscos para a mamãe e para o bebê. 

Sara Cañamero de León