O ácido fólico e a gravidez

A importância do ácido fólico na gravidez

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

O ácido fólico é uma das vitaminas do complexo B, que ajuda no crescimento das células e na produção do DNA. Essa vitamina é especialmente necessária na etapa de crescimento, na adolescência e durante a gravidez. A vitamina B9 ou ácido fólico tem um papel fundamental no processo de multiplicação celular, portanto, é muito necessária durante a gestação porque é essencial para a produção dos tecidos e para a formação dos órgãos do embrião e do feto. 

Ácido fólico antes da concepção e durante a gravidez

A importancia do ácido fólico na gravidez

Alguns estudos mostram que as mulheres que consomem a quantidade de ácido fólico recomendada pelo médico, antes e durante os primeiros meses da gravidez, podem reduzir o risco de dar a luz a um bebê prematuro com baixo peso ao nascer ou com defeitos de nascimento no cérebro (anencefalia, quando o bebê nasce sem o cérebro ou somente com parte do mesmo, e não pode viver), na coluna vertebral (espinha bífida, quando a coluna do bebê não se forma corretamente), e no lábio leporino e palato (lábio leporino). 

Tomar ácido fólico antes da gravidez é fundamental para a prevenção desses defeitos, que se desenvolvem subitamente após as três ou quatro semanas depois da concepção. 

Reduz o risco de espinha bífida 

Tomar ácido fólico é uma medida de prevenção simples e tem uma eficácia comprovada. Diversas pesquisas demonstram que previne em 78% a espinha bífida no feto. A espinha bífida é uma malformação congênita relativamente comum caracterizada por um fechamento incompleto do tubo neural (tecido embrionário que dá origem a coluna vertebral). Essa circunstância pode se produzir nas primeiras semanas de gestação, antes que o teste de gravidez dê positivo. Por isso, se a mulher busca engravidar, deve consultar o médico e tomar ácido fólico. Antes da gravidez, recomenda-se tomar suplementos de 0,4 mg de ácido fólico por dia, e se já estiver grávida, uns 6 mg de ácido fólico por dia, sempre com orientação médica. 

Alimentos ricos em ácido fólico

A ingestão de ácido fólico não só beneficia o bebê, mas também pessoas de todas as idades. O ácido fólico cumpre um papel importante na produção dos glóbulos vermelhos, e por essa razão, beneficia quem sofre de anemia. Está comprovado que o ácido fólico pode reduzir o risco de doenças cardíacas, derrames cerebrais e de alguns tipos de câncer

Essa vitamina se encontra principalmente em vegetais de folha verde, frutas cítricas, feijão e verduras. Os alimentos que mais contêm ácido fólico são: laranja, banana, brócolis, espinafre, ervilha, aspargos, amendoim, lentilhas e fígado de galinha. Outros alimentos com a farinha, o arroz, massas e os cereais podem conter ácido fólico acrescentado na sua fabricação. Se olhar o rótulo das embalagens, poderá saber a quantidade de ácido fólico que contém. 

Suplemento vitamínico para a grávida 

O ácido fólico, como todas as demais vitaminas, pode ser ingerido mediante alimentos ricos nessa vitamina ou através de suplementos. Para ingerir a quantidade de ácido fólico recomendada pelos especialistas, é preciso que: 

1. Tome um suplemento vitamínico com ácido fólico que contenha 400 mg dessa vitamina. 

2. Inclua em sua dieta diária, cereais enriquecidos com ácido fólico. 

3. Aumente o consumo de alimentos com ácido fólico (massa, cereais, pão ou arroz). 

4. Organize sua dieta para que inclua uma variedade de alimentos ricos em ácido fólico. 

Acido fólico contra o parto prematuro

Radek Bukowski, professor assistente de Obstetrícia e Ginecologia da Universidade do Texas, EUA, recomenda que as mulheres tomem suplementos de ácido fólico pelo menos um ano antes de ficar grávida, para reduzir o risco de ter um parto prematuro. Segundo um estudo realizado com 40.000 mulheres, as que tomaram ácido fólico durante 12 meses ou mais antes da gravidez, tiveram 50% menos risco de parto prematuro, e 70% menos perigo de dar a luz entre as semanas 20 e 28. Esse estudo incluiu só grávidas com um único feto. 

Fontes consultadas:
- Nlm.nih.gov
- Awoman.gov
- Familydoctor.org
- Youngwomenhealth.org