Gravidez na adolescência. Riscos e consequências

As consequências físicas e psíquicas de uma gravidez na adolescência

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a adolescência é o período da vida da pessoa que compreende entre os 10 e os 19 anos de idade. Em alguns casos a adolescência é interrompida quando a jovem engravida. Uma em cada cinco mulheres no mundo tem já tem um filho antes dos 18 anos e a cada ano nascem 16 milhões de crianças filhas de mamães adolescentes. Nas regiões mais pobres do planeta o índice é maior: uma em cada três mulheres são mães na adolescência. 

Riscos da gravidez de uma adolescente

gravidez-adolescência-menina-teste A 

Segundo especialistas, a idade mais apropriada para ser mãe é entre os 20 e 35 anos, já que o risco para a saúde da mãe e da criança é muito menor. A gravidez na adolescência é considerada de alto risco e implica em mais complicações. A adolescente não está preparada nem física nem mentalmente para ter um bebê e assumir a responsabilidade da maternidade. 

A gravidez na adolescência apresenta em muitos casos: 

- quadros de má nutrição, com carência de nutrientes essenciais para o bom desenvolvimento do bebê. 

- um maior número de abortos espontâneos. 

- partos prematuros. Muitos bebês de adolescentes nascem antes da 37ª semana de gestação.  

- seus bebês têm um peso baixo, já que a imaturidade do seu corpo faz com que o seu útero não tenha se desenvolvido completamente. 

- as mamães adolescentes têm filhos com mais problemas de saúde e transtornos de desenvolvimento. 

- nos casos de gravidezes de meninas com menos de 15 anos, o bebê têm mais possibilidades de nascer com más formações. 

Complicações psicológicas para a adolescente grávida 

Em geral, os estudos revelam uma série de circunstâncias pelas quais as mamães adolescentes passam: 

- Medo de serem rejeitadas socialmente: uma das consequências da adolescência e a gravidez, é que a jovem se sente criticada pelas pessoas do seu meio e tende a se isolar do grupo. 

- Rejeição ao bebê: são crianças e não desejam assumir a responsabilidade, o tempo e as obrigações que significa ser mãe. No entanto, isso também faz com que elas se sintam culpadas, tristes e diminui sua autoestima

- Problemas com a família: comunicar a gravidez na família, muitas vezes é motivo de conflito e inclusive rejeição dentro da própria família. 

- Os filhos de mães e pais adolescentes podem sofrer maior taxa de fracasso escolar, problemas de aprendizagem ou inclusão social. 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda para evitar a gravidez na adolescência:

- limitar o casamento antes dos 18 anos

- aumentar o uso de contraceptivos para os adolescentes

- gerar compreensão e apoio para reduzir a gravidez antes dos 20 anos

- reduzir o sexo forçado entre adolescentes

- apoiar projetos de prevenção da gravidez na adolescência

De qualquer modo, a melhor prevenção é que as jovens tenham uma boa educação sexual dentro do seio familiar. É importante informar sobre os riscos e complicações da gravidez na adolescência e todas as mudanças que acontecem a partir do momento que uma adolescente engravida. 

O diálogo em família é essencial e deve haver uma conversa aberta e transparente para que as jovens tenham toda a informação ao seu alcance.

Alba Caraballo. Editora de Guiainfantil.com