Prevenção e controle da gravidez de alto risco

Conselhos para evitar e controlar uma gravidez de alto risco

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Apesar de a gravidez ser uma das etapas mais lindas da vida de uma mulher, muitos fatores sociais, médicos ou de outra índole podem colocar em perigo a vida da futura mamãe e do seu bebê. 

As gravidezes de alto risco aparecem com uma frequência de 10% e requerem um controle por parte dos pais e do médico para evitar problemas tão graves como os partos prematuros ou a morte fetal ou da gestante. 

Dentre as causas que provocam uma gravidez de alto risco, algumas podem ser evitadas como problemas com o fumo, alcoolismo. Outras requerem um controle ao surgir durante a gravidez, como por exemplo, a diabetes gestacional. 

Prevenir uma gravidez de alto risco

Segundo o Dr. Victor M. Meneses do Colégio de Ginecologia e Obstetrícia do México, existem algumas doenças que podem se complicar quando a paciente engravidar, por exemplo, as doenças cardiovasculares, problemas renais, hipertensão arterial, câncer ou diabetes. Se a mulher que procura ter um filho, sofre dessas doenças, deve consultar previamente um especialista para reduzir os riscos durante a gravidez. 

O especialista recomenda planejar, na medida do possível, a gravidez com o casal, sobretudo se conta com antecedentes familiares ou um histórico médico que favoreça uma gestação de alto risco, e realizar com cuidado as consultas de pré-natal. 

Como conselhos práticos, deve-se levar em conta a idade da mãe, já que mulheres menores de 18 anos e maiores de 40 entram no grupo de alto risco. Também se deve eliminar o cigarro, álcool e outras substâncias prejudiciais, manter uma alimentação sadia antes de durante a gravidez, e dar um espaço de no mínimo 18 meses para ajudar na recuperação materna.

Controle de uma gravidez de alto risco

Em muitas ocasiões não se pode evitar uma gravidez de alto risco, seja por problemas médicos como a anemia materna ou a diabete, ou por problemas sociais como gravidez na adolescência ou gravidez tardia. Nesse caso, é fundamental o acompanhamento médico que assegurem o bom desenvolvimento da gestação.

Uma vez que a causa da gravidez de alto risco é detectada, a frequência das revisões médicas varia, mas sempre se deve controlar o peso e a pressão arterial, a frequência cardíaca fetal, a dinâmica uterina e realizar alguns exames como análises de sangue, urina, ecografias e amniocentese.

Por sua vez, o especialista deve manter informado aos futuros papais das possíveis complicações, a dieta, controles e medicações que devem seguir. É de grande importância que o médico ensine aos pais alguns sinais de alarme que requeiram uma intervenção médica de urgência.

Patricia García 

Colaboradora de GuiaInfantil.com