Lesões por queimaduras na pele da criança

Como proceder numa queimadura na pele de uma criança

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

As queimaduras das crianças por acidentes domésticos são muito comuns. Às vezes, por um descuido dos pais com o ferro ligado, um fogão aceso, fogos de artifício, um aquecedor ou até mesmo uma vela podem ocasionar queimadura nas crianças que são atraídas pela luz que desprende da fonte de calor sentem vontade de tocá-las. 

Diante de um acidente doméstico, que tem como consequência uma queimadura, como a gente deve agir? O Dr. Juan Jesus Hernández, responsável pelo Plano de Saúde do departamento de Saúde e Socorros da Cruz Vermelha na Espanha respondeu a algumas perguntas. 

Como curar uma queimadura na pele das crianças

lesões-por-queimaduras-pele-criança A 

Como a gente pode distinguir uma queimadura leve de uma grave que precise de assistência médica? 

Existem diferentes fatores que nos ajuda a conhecer qual é a gravidade de uma queimadura. Um deles é a extensão: está claro que quanto maior quantidade de superfície corporal queimada tenha logicamente mais grave é a queimadura. 

As queimaduras também são avaliadas pela profundidade, que se mede pela espessura da pele que está afetada por essa queimadura. Falamos de três graus fundamentais: queimadura de primeiro grau, que é uma queimadura superficial onde fundamentalmente o que vemos é a pele vermelha; uma queimadura de segundo grau, onde existe uma maior afetação da espessura da pele e a lesão típica é a bolha, a flictena; a queimadura de terceiro grau ou queimadura de espessura total, em que toda a espessura da pele está enegrecida como o couro, inclusive, às vezes, existe uma perda de sensibilidade por essa destruição da pele e de todas essas terminações nervosas que temos nela.    

Para avaliar a gravidade, também é necessário levar em conta a idade. Quanto menor for a criança, mais grave será a queimadura; a localização também é importante: não é a mesma coisa uma queimadura no dorso da mão do que, por exemplo, no rosto, não apenas por causa das cicatrizes, mas pelos problemas de vascularização que podem acontecer nessas áreas. Como a queimadura foi provocada, se existe um traumatismo associado, ou, por exemplo, se existe uma doença de base como pode ser o diabetes, pode fazer com que o prognóstico da queimadura seja pior. 

O que é que nunca devemos fazer ao atender uma criança que tenha sofrido queimadura? 

No caso das queimaduras, ao furarmos as bolhas pensando que assim iremos acelerar a cicatrização, o que estamos fazendo é criar uma ferida onde não havia e aumentar o risco de infecção. Outro erro frequente é aplicar no local da queimadura unguentos caseiros como a pasta de dente para tentar refrescar a região, mas que depois iremos criar irritação cutânea e na cicatrização.

Além disso, quando tivermos que limpar essa ferida será ainda mais doloroso retirar ou despegar essa pasta de dentes ou unguento que tenhamos aplicado. Outra falha habitual é utilizar nas crianças tratamentos farmacológicos que serviriam para uma ferida. Os medicamentos ou as pomadas antibióticas, por exemplo, são tratamentos que o pessoal médico deve indicar e não pode ser os pais, mães ou babás das crianças que decidam o que deve ou não ser administrado.

Para cuidar de uma queimadura convém sempre colocar um antisséptico? 

O antisséptico é um coadjuvante no tratamento da ferida e vai ajudar a evitar que a ferida se infecte. Fundamentalmente é um tratamento preventivo que utilizamos para evitar que a ferida se infecte. Não é um tratamento da infecção como tal, mas pode nos ajudar como colaborador do melhor procedimento que é lavar o local com água e sabão. O antisséptico vai nos ajudar a dar uma maior segurança, uma vez que já tenhamos conseguido ter a ferida limpa para evitar que se infecte. 

Temos tudo o que é necessário no kit de primeiros socorros de casa para curar nosso filho? 

A parte mais importante de um kit de primeiros socorros tem que ser todo o material relacionado com a cura e o tratamento das feridas. Isso significa que o kit deve ter gases estéreis, luvas, esparadrapo de diferentes tamanhos hipoalergênicos, band-aids de diversos tamanhos que podem ser cortados para serem adaptados à ferida, pequenos frascos de soro fisiológico para limpar uma ferida, um antisséptico e vendas (de gaze ou de tela) de diversos tamanhos. Normalmente, num kit caseiro a medicação não está incluída, mas isso não quer dizer que não tenhamos que ter medicação em casa.