O que fazer quando uma criança tem uma crise de epilepsia

Que medidas tomar diante de uma criança com convulsões epiléticas

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

No dia 26 de março se comemora o Dia Mundial da Epilepsia. Trata-se de um transtorno do sistema nervoso que se caracteriza por crises ou convulsões. São episódios breves em que acontecem contrações musculares que afetam uma parte do corpo ou todo ele. Às vezes pode acontecer perda de consciência. A epilepsia afeta pessoas de todas as idades, e aproximadamente um por cento das crianças sofre desse mal.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), existe 50 milhões de pessoas no mundo com epilepsia, e delas, 80% acontecem em regiões em desenvolvimento. Na maior parte dos casos a epilepsia não tem uma causa clara, ainda que as mais conhecidas são: lesões durante o parto, malformações congênitas, infecções cerebrais, síndromes genéticas ou tumores cerebrais. 

O que se deve fazer se a criança tiver uma crise de epilepsia

Como proceder diante de uma crise de epilepsia

O Hospital Universitário do Menino Jesus, junto com a organização Purple Day tem desenvolvido uma aplicação para dispositivos móveis. Trata-se de informar a população sobre o que é a epilepsia e quais são as medidas que devem ser tomadas em qualquer momento e lugar para atender a uma pessoa que sofre uma crise epilética. Seu nome é Convulsiones, é gratuita e pode ser descarregada em smartphones e tablets, em espanhol. 

O importante é conhecer como devemos reagir se uma criança tiver uma crise epilética.

1 – É importante conservar a calma e não agir precipitadamente ou nervoso. 

2 – Tente ajudar para que a criança não se machuque durante as convulsões e retire ao seu redor tudo aquilo que possa causar-lhe algum dano.

3 – Coloque algo macio embaixo da sua cabeça. 

4 – Se estiver com alguma roupa mais apertada, é conveniente deixá-la mais confortável, desabotoando os botões, por exemplo.

5 – Coloque a criança de lado para que possa respirar com mais facilidade.

6 – Espere junto à criança até que a crise termine, deixe-a descansar e se recuperar antes de ficar novamente de pé. 

7 – Controle o tempo que a crise dura. Se prolongar em mais de cinco minutos ou é a segunda consecutiva deve chamar uma ambulância com urgência. 

O que não se deve fazer diante de uma crise epilética 

1 – Não segure a criança tentando evitar que se movimente. 

2 – Não coloque nada na boca dela durante a crise. 

Fontes consultadas:
- OMS Organização Mundial da Saúde
- Hospital Universitario del Niño Jesús
- Purple Day

Alba Caraballo 
Editora de GuiaInfantil.com