Transtorno Obsessivo-compulsivo em crianças

Como e por que acontecem as obsessões, manias e impulsos infantis

O transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) é um transtorno de ansiedade em que as crianças têm obsessões e compulsões em geral, embora nem sempre acontecem estas duas características. Pode ocorrer uma ou outra. Obsessões são pensamentos, impulsos ou imagens mentais que a criança pode desenvolver involuntariamente (sem que possa evitar) e que podem produzir uma grande ansiedade.

O que é o transtorno obsessivo-compulsivo em crianças

O transtorno obsessivo-compulsivo em crianças

Não se pode confundir as obsessões com preocupações diárias. A criança tenta ignorar ou se livrar dessas obsessões e geralmente pode reconhecê-las como produto de sua mente e não real.As compulsões são comportamentos repetitivos: a lavagem das mãos, a ordem ou a preocupação exageradas com algumas coisas. Também pode ser a repetição de algumas ações mentais como contar, repetir palavras ou rezar… Tudo o que a criança se sente obrigada a fazer para diminuir a ansiedade que gera o objeto de sua obsessão.

As compulsões, ao contrário dos tics e manias nervosas, se realizam de forma consciente. A criança luta contra elas, mas se sente obrigada a desenvolvê-las como forma de evitar que algo terrível lhe aconteça. As compulsões ou rituais estão totalmente fora do controle da criança e a domina completamente. O menino ou a menina sente que necessita repeti-las.

Para diagnosticar o TOC (Transtorno obsessivo-compulsivo), a criança deve reconhecer, pelo menos numa ocasião, que as obsessões ou compulsões são excessivas ou absurdas.

Tipos de obsessões em crianças

As obsessões mais comuns das crianças estão relacionadas com a higiene. O TOC em crianças é muito similar ao dos adultos. Na verdade, existem mais semelhanças do que diferenças.

Num estudo realizado na Espanha, em que se captou uma grande amostra de crianças, se constatou que as obsessões mais comuns estão relacionadas ao medo de contaminação, o medo de se ferir a si mesmo ou aos outros (geralmente um parente próximo), as obsessões agressivas, de ordem e de simetria. As compulsões mais comuns, entretanto, foram de limpeza ou lavagem excessiva ou ritualizada, a comprovação, rituais de repetiçao, contagem, organização e correção.

Na infância, também ocorrem obsessões e compulsões freqüentemente atípicos: rituais ao escrever ou ler, cuando a criança se move ou fala (repetindo os sons, palavras ou frases), etc. Esses rituais podem ser mecânicos ou de neutralização.

Também são muito frequentes as compulsões que se assemelham aos tics (impulso repetitivo ou mecânico ou de energia de descarga), como tocar, bater, respirar de alguma forma, piscar, fazer careta, etc.

TOC na infância e hiperatividade

Os comportamentos obsessivo-compulsivos são associados a síndrome de Tourette, aos tiques, ao transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, e também aos problemas de comportamento ou aos problemas específicos de  desenvolvimento.

Na verdade, vários estudos têm validado a relação entre transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e o transtorno de déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) em crianças e adolescentes. A presença de TOC em uma criança com TDAH, muitas vezes pode complicar a evolução do TDAH.

Alicia López de Fez.
Psicóloga infantil
Centro de Psicologia López de Fes.

  • 10 exercícios para que as crianças superem a gagueira
    10 exercícios para que as crianças superem a gagueira

    Se suspeitarmos que nosso filho tenha um transtorno da fala, a primeira coisa que temos que fazer é observá-lo. Quando a criança gagueja? Em quais situações? Quem está presente? É um comportamento que se repete de forma contínua ou que só aparece em momentos isolados?

    • Hiperatividade Infantil (TDAH)
      Hiperatividade Infantil (TDAH)

      O Transtorno por déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) tem três sintomas: hiperatividade, falta de atenção e impulsividade. Trata-se da síndrome da conduta, de origem neurobiológica, mais frequente durante a infância. Estima-se que cerca de 5% da população infanto-juvenil, de 3 a 16 anos, sofre, sendo 3 vezes mais frequente nos homens.

0 comentários