10 exercícios para que as crianças superem a gagueira

Coisas que os pais podem fazer se a criança gagueja

Vilma Medina

Vilma Medina

Se suspeitarmos que nosso filho tenha um transtorno da fala, a primeira coisa que temos que fazer é observá-lo. Quando a criança gagueja? Em quais situações? Quem está presente? É um comportamento que se repete de forma contínua ou que só aparece em momentos isolados?  

É necessário saber quando, onde, como e com quem acontece para poder estabelecer o porquê, a causa da dita gagueira. Muitas vezes existe uma predisposição genética à gagueira, por isso convém averiguar se algum dos pais teve esse problema na infância. 

Atividades e jogos para ajudar crianças gagas

10-exercícios-para-que-as-crianças-superem-a-gagueira A 

Outro ponto fundamental a ser levado em conta é a idade da criança, pois existe uma gagueira evolutiva que aparece em torno dos 3 ou 4 anos de idade em que a criança tende a repetir as palavras, ou em ocasiões ‘se trava’ e não sabe continuar. Se o nosso filho já tem mais de 5 anos e continua ou a gagueira tenha acentuado convém pedir ajuda e avaliar o problema para poder iniciar uma intervenção. 

Una vez que hemos observado el problema, es importante que los padres:

1. Não terminem as frases da criança. Tem que aprender a falar por si mesma para que veja que pode enfrentar o problema e sair vitoriosa do mesmo. 

2. Não zombar dela, chatear-se ou menosprezá-la quando o problema acontecer. 

3. Não interrompê-la, deixar-lhe que acabem as frases. Você pode animá-la a terminar, com palavras de alento ou um sorriso. 

4. Gravar-lhe quando fala devagar e quando fala depressa para que a criança se ouça e veja as diferenças. 

5. Cantar com ela e de novo gravar-lhe para que se escute e que veja que quando canta não gagueja. Explique a ela que isso acontece porque cantando ela ‘administra’ melhor a quantidade de ar para expulsar.

6. Trabalhar com a criança a respiração diafragmática (que aprenda a fazer uma respiração profunda em que o ar chegue ao diafragma ou ao ventre).  

7. Fazer exercícios de sopro, como encher balões, soprar velas, soprar língua de sogra... Dessa forma conseguiremos fortalecer os órgãos fonadores. 

8. Alongar as cordas vocais ao falar. Isso, sobretudo podemos fazer enquanto a criança leia. 

9. Trabalhar o turno de palavras, como, por exemplo, os pais iniciam uma frase, param e pedem para que a criança termine. 

10. Controlar as condutas de ansiedade da criança. Trabalhar com ela o medo de gaguejar. 

Silvia Álava Sordo

Psicóloga

Gagueira o gaguez infantil. Disfemia nas crianças

Gagueira o gaguez infantil. Disfemia nas crianças

Gagueira infantil. Por que algumas crianças têm gagueira? Cerca de 5 por cento das crianças, entre dois e quatro anos de idade, apresentam episódios de gagueira.

Como devem agir os pais diante da gagueira dos filhos

Como devem agir os pais diante da gagueira dos filhos

O que os pais não devem fazer diante da gagueira das crianças. Respeito e paciência sao dois grandes conselhos para que a familia considerem na hora de lidar com um filho ou irmão com gagueira.

Os professores e a gagueira das crianças

Os professores e a gagueira das crianças

Os professores e a gagueira das crianças. Conselhos para que os professores possam ajudar as crianças gagas, na aula. O papel dos professores diante da gagueira infantil.

A maioria das crianças bilíngues gagueja

A maioria das crianças bilíngues gagueja

Na minha escola tinha um menino que gaguejava. Ele gaguejava tanto que parecia que às vezes parecia que estava zombando dos demais. Eu ficava impressionada com sua dificuldade para gesticular com fluidez as palavras, e muitas vezes eu tentava ajudá-lo completando a palavra que tentava dizer.

Tratamento precoce da gagueira infantil

Tratamento precoce da gagueira infantil

Os estudos revelam que 5% das crianças começam com a gagueira entre os 2 e os 6 anos, em pleno aprendizado da linguagem. Para essas crianças, a Fundação Espanhola da Gagueira propõe um programa experimental centrado no tratamento precoce dessa alteração da fala.

0 comentarios