A obsessão pelo êxito adoece as crianças

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Qual é o objetivo da vida? Ter êxito? Ser o melhor? Ser feliz? As mensagens que recebem nossos filhos constantemente são contraditórias. Queremos que nossos filhos sejam felizes, mas ao mesmo tempo lhes exigimos ser competitivos, tirar a melhor nota, ser o melhor na prática do esporte...

Cuidado! Sua obsessão pelo êxito pode fazer com que o seu filho adoeça. 

A obsessão pelo êxito faz com que as crianças adoeçam

a-obsessão-pelo-êxito-adoece-criança A 

As obsessões geram estresse. O estresse, a ansiedade. A ansiedade faz com que o corpo e mente adoeça. Inclusive pode ser uma das causas que gera depressão nas crianças. 

Stuart Slavin, pediatra e catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade de Saint Louis (EUA) realizou um experimento com alunos adolescentes. O resultado foi alarmante: 54% dos estudantes apresentavam sintomas moderados ou severos de depressão. Algo que já se arrasta desde a infância. 

Se pararmos para pensar na vida que nossos filhos têm, seguramente a gente vai se dar conta de que é muito diferente da vida que tínhamos no passado. Eles passam 8 horas na escola. Mas, quando saem, eles têm aulas de inglês, desenho, música, dança... E ao chegar a casa lhes espera uma montanha de deveres. Finalmente, ao terminarem de fazer todas as tarefas e deveres vem a hora do jantar e não acaba não tendo tempo para brincar. Logo estarão deitados cansados. E assim, dia após dia. 

Mas, claro, as crianças não podem deixar de fazer todas essas tarefas. Fazem parte do seu aprendizado, não? Do seu caminho para o sucesso. Se não se desdobrarem dessa forma, outros o farão e a criança ficará relegada ao ‘último lugar’. E quando chegar o momento de procurar um emprego sempre haverá alguém melhor que lhe tirará o lugar. 

Daí vem a obsessão dos pais. Num mundo tão competitivo, a educação tem perdido a sua essência. Agora se trata de uma carreira, uma carreira rumo ao sucesso. E, no entanto, esta obsessão a única coisa que gera nas crianças é uma pressão e exigência para a qual não estão preparadas. E com estresse nada pode acabar bem. 

O pediatra Stuart adverte do perigo que isso implica. Uma criança de 5 anos não está preparado para competir. Não está preparado para a batalha pelo êxito. Aos 5 anos, uma criança só deveria ter um objetivo: ser feliz. E para ela só deveria ter uma obrigação: brincar. 

5 sintomas de estresse em crianças menores de 10 anos

Ainda que nos pareça assombroso, as crianças podem sofrer estresse desde pequenos. Talvez a gente não se dê conta, mas o estresse está ali, patente em todos esses sintomas: 

1. Insônia. A criança não pode dormir. Dorme menos do recomendado (10 a 12 horas) e tem sérios problemas para conciliar o sono

2. Dores de cabeça. Uma criança com estresse se queixa constantemente de dor de cabeça. Inclusive pode gerar enxaquecas. 

3. Úlcera e dor de estômago. O estresse afeta diretamente o estômago. A criança com estresse tem problemas ou desordens alimentares. Pode ter momentos de ansiedade que fará com que coma mais e momentos de depressão que a faz rejeitar o alimento. Esta situação lhes gera dor de estômago. 

4. Problemas de habilidades sociais. São crianças mais competitivas, que têm sérios problemas em controlar suas emoções. 

5. Problemas de concentração. 

E lembre-se: uma criança estressada pode ser amanhã um adulto com problemas emocionais. Para evitar isso, limite o tempo que o seu filho de 5 – 6 anos dedica às atividades extraescolares. Não deixe com que o seu filho faça mais do que 20 minutos de deveres por dia e não dê a ele tarefas escolares nas férias e nos finais de semana e deixe-o brincar. Afinal ele ainda é uma criança. 

Estefanía Esteban

Redatora de GuiaInfantil.com