A rivalidade das crianças é saudável

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Entre as crianças, especialmente entre meninos existe muita rivalidade no esporte e muitos dos enfrentamentos que as crianças têm se devem a um empurrão acidental, uma má palavra, um ‘não saber perder’ ou uma humilhação improcedente. Seguramente responda a um instinto primitivo de ser o ‘mais forte’, o mais habilidoso, o que mais manda. Em definitivo, o dominante ou o líder em um grupo

Ensine o seu filho a fazer amigos

a-rivalidade-das-crianças-é-saudável A

Normalmente, esta rivalidade começa já em casa com os irmãos. Esta competitividade é uma boa maneira de autoafirmação, de exigir direitos, de aprender a resolver conflitos e aspectos desagradáveis, mas é indesejável quando chega muito longe e acaba não querendo compartilhar nada, só quer ficar ‘por cima da carne seca’. A competição não é ruim. Alguns consideram que ela freia os impulsos de monopólio dos poderes absolutos, mas em crianças, em especial nos menores de quatro ou cinco anos não deve ser potencializada, já que em longo prazo pode levar a criança a um isolamento ou incompreensão. A competição potencializa o individualismo e não a colaboração, o que é esperado entre companheiros de jogos e brincadeiras. 

Com certeza você algumas crianças que não querem compartilhar sua bola. Elas choram ou chutam expressando sua frustração diante de uma má participação, humilham aos outros quando ganham e se chateiam em excesso quando perdem. Preferem estar sozinhas a poder perder seus status de ganhador ou de superioridade pela possessão. Esta visão em que ‘só se ganha ou se perde’ produz uma grande tensão e ansiedade nas crianças pequenas. Algumas crianças pensam que se perderem podem ser desmoralizadas, e, em consequência se negam a praticar esportes coletivos, quando acabam gerando invejas ou inimizades entre os companheiros.

Inicialmente, para os pequenos da casa, deveríamos começar com esportes coletivos que tenham certas normas e objetivos comuns que incitem à cooperação entre todos os participantes como passar a bola um para o outro, etc. Mais adiante, estarão preparados para enfrentar de maneira saudável a uma competição em que de maneira individual e com respeito comecem a fixar metas, a seguir regras, a tomar decisões e a se superar. Para as crianças é importantíssimo aprender a fazer amigos e a se relacionar com seus semelhantes sem ter que estar cerrando os pulsos constantemente pela sua superioridade física.

Patro Gabaldón