Violência escolar ou Bullying

A violência escolar é uma ameaça às crianças

Vilma Medina

Vilma Medina

Bullying é uma palavra inglesa que significa intimidação. Infelizmente, é uma palavra que está em moda devido aos inúmeros casos de perseguição e agressões que se estão detectando nas escolas e colégios, e que estão levando a muitos estudantes a viverem situações verdadeiramente aterradoras.

O Bullying se refere a todas as formas de atitudes agressivas, intencionais e repetidas, que ocorrem sem motivação evidente, adotadas por um ou mais estudantes contra outro ou outros. O que exerce o "bullying" o faz para impor seu poder sobre outro através de constantes ameaças, insultos, agressões, humilhações, etc., e assim tê-lo sob seu completo domínio durante meses, inclusive anos. A vítima sofre calada na maioria dos casos. O maltrato intimidatório o fará sentir dor, angústia, medo, a tal ponto que, em alguns casos, pode levá-los a consequências devastadoras como o suicídio.

Casos concretos de bullying

Violência escolar

O fenômeno da violência escolar está na ordem do dia e preocupa sociedade civil, a nível global. 30 a 35% das crianças portuguesas foram vítimas deste fenômeno nas escolas. O "bullying" é o que mais preocupa. Não é certo afirmar que a violência escolar tenha aumentado a nível global, porém, existem cada vez mais casos flagrantes de agressões físicas e psicológicas praticadas nas escolas, entre alunos e também contra professores que chegam ao nosso conhecimento através da mídia.

Uma pesquisa divulgada em 7 de outubro de 2008 pela organização não-governamental Internacional Plan, , que atua em 66 países em defesa dos direitos da infância, apontou que 70% dos 12 mil estudantes pesquisados em seis Estados brasileiros afirmaram terem sido vítimas de violência escolar. Outros 84% desse total apontaram suas escolas como violentas.

O relatório é parte da campanha global Aprender sem medo, lançada também hoje. O objetivo é promover um esforço mundial para erradicar a violência escolar. O estudo também indicou que cerca de 1 milhão de crianças em todo o mundo sofrem algum tipo de violência nas escolas por dia.

A campanha terá como foco as três principais formas de violência na escola: o castigo corporal, a violência sexual e o bullying, fenômeno definido pelo estudo como "atitudes agressivas, intencionais e repetidas que ocorrem sem motivação evidente, adotadas por um ou mais estudantes contra outro".

Cada país vai moldar a campanha de acordo com a realidade nacional. Comum em todo o mundo, o bullying será o centro das ações no Brasil. Segundo a pesquisa, pelo menos um terço dos estudantes do País afirmou estar envolvido nesse tipo de atitude, seja como agressor ou como vítima. De acordo com o assessor de educação da Plan Brasil, Charles Martins, o castigo corporal, apesar de ainda estar presente nas escolas brasileiras, é mais repreendido do que o bullying.

"Nós identificamos que o bullying é hoje a prática mais presente. Com o conselho tutelar e outras ações externas, o castigo corporal não acontece tão facilmente, já o bullying tem implicações psicossociais nos indivíduos. Mas não se tem essa consciência, é uma temática nova", explica o pesquisador.

O estudo aponta que as vítimas dessa prática perdem o interessem pela escola e passam a faltar às aulas para evitar novas agressões. "Essas vítimas apresentam cinco vezes mais probabilidade de sofrer depressão e, nos casos mais graves, estão sob um risco maior de abuso de drogas e suicídio", diz o relatório.

Martins alerta que o comportamento não é tão fácil de ser identificado, mas pode ser configurado como bullying quando as agressões verbais e emocionais se tornam repetitivas. "O professor precisa identificar em sala de aula as crianças que têm um padrão de vítima como timidez, problemas de rendimento e se tornam em alguns momentos anti-sociais", indica.

Para a organização, as estratégias de combate à violência escolar mais eficientes se concentram na própria escola. Alguns exemplos são o estabelecimento de normas claras de comportamento, treinamento de professores para mudar as técnicas usadas em classe e a promoção da conscientização dos direitos infantis.

A campanha terá início em 2009. Segundo Martins, a ONG buscará o apoio de dirigentes escolares, professores e dos três níveis de governo para a divulgação do tema. Entre as principais ações está o desenvolvimento de oficinas com os alunos em escolas-piloto para desenvolver o chamado "protagonismo infantil".

"Ao final eles serão orientados a implementar na escola um comitê dos direitos das crianças. Eles serão multiplicadores também em outras escolas", explica Martins. O número de escolas ainda não está definido, pois dependerá de futuras parcerias.

Em pesquisa realizada em 2007 especificamente com escolas estaduais em  São Paulo, foram detectadas as seguintes conclusões (www.udemo.org.br), com relação à violência contra pessoas, pela ordem, foram as mais freqüentes: briga entre alunos (acima de 80%) – isso reflete o que está acontecendo fora da escola; desacato a profissionais da escola (também acima de 80%), porte ou consumo de bebidas alcoólicas (63%), tráfico ou consumo de drogas (36%), invasão de estranhos (54%), ameaças de morte contra profissionais da escola (30%) e porte ou uso de arma (14%).

A pesquisa também abrangeu a violência contra os bens materiais da escola, como (em ordem de maior frequência): depredação, pichação, arrombamento, dano a veículo, furto e explosão de bombas.

Livre, livre. Meus olhos seguirão ainda que meus pés parem. Estas foram as últimas palavras que deixou escritas Jokin Zeberio, de 14 anos, antes de sucicidar-se, atirando-se ao vazio com sua bicicleta, do alto da muralha de Hondarribia, Espanha, em setembro de 2004. Jokin vinha sofrendo agressão de seus colegas havia anos. As contínuas ameaças, humilhações, insultos, pancadas, surras, o fizeram sofrer e o levaram à morte. O feito fez soar o alarme social político e educativo, e gerado muitos debates. Mas, lamentavelmente, não freiaram o fenômeno. Os casos de bullying afloram e cada dia detectamos que não são recentes nem raros.

Atividades extra escolares adequadas a cada criança

Atividades extra escolares adequadas a cada criança

Como escolher a atividade extra escolar mais adequada aos filhos. Teatro, pintura, patinação, tênis, idiomas, ballet. Que atividade escolhemos para nosso filho? A oferta de atividades extra escolares é cada dia mais variada, e escolher a mais adequada para nossos filhos tem sido cada vez mais difícil.

Cabra-cega. Brincadeiras para crianças

Cabra-cega. Brincadeiras para crianças

A brincadeira de cabra-cega é indicada para crianças a partir dos seis anos de idade. Para brincar é necessário um lenço ou uma venda para tapar os olhos, e quanto mais crianças participarem, melhor. É muito divertido ver as crianças gritando e interagindo entre si.

Educar a criança com valores. A Tolerância

Educar a criança com valores. A Tolerância

Ser tolerante é aceitar e admitir a diferença ou a diversidade, é respeitar a opinião dos outros. A criança não nasce tolerante. Sua conduta natural é que tudo seja para si, e que todos estejam de acordo com ela, por isso o aprendizado deve ser o mais cedo possível.

O que fazer se você não gosta dos amigos dos seus filhos

O que fazer se você não gosta dos amigos dos seus filhos

Ao conversar com diversos pais sempre ouço alguma história sobre uma criança na classe do seu filho que tem um comportamento muito negativo: é agressivo, brigão, manipulador ou desobediente, e os pais não querem que seus filhos tenham amizade com essa criança.

6 motivos pelos quais os professores repreendem aos alunos

6 motivos pelos quais os professores repreendem aos alunos

Qual criança nunca foi repreendida pelo professor na sala de aula? Até mesmo os mais estudiosos, tranquilos e responsáveis, em um determinado momento foram repreendidos pelo professor, seja por falar muito, por não participar ou porque a sua mente está em outra galáxia.

Pais e professores para melhorar o rendimento escolar da criança

Pais e professores para melhorar o rendimento escolar da criança

O âmbito em que as crianças com transtornos de aprendizagem podem ter mais dificuldades é o escolar, já que é quando se percebem mais as suas complicações ao ler, escrever ou calcular. Muitas crianças se frustam quando não conseguem acompanhar seus amigos.

99 comentarios

  • Maria

    2016-02-02 02:03:00

    O meu filho tem 6 anos feitos a pouco anda na primeira classe e é o mais novo e te. Um colega dele k vive só com a mãe e a irmã a mãe trabalha de manhã até à meia noite e o menino todos os dias bate no meu filho da lhe pó ta pés na boca na cabeça deita lhe as mãe aos olhos até às orelhas e o pelos cabelos o puxa até ao chão a pediram k tivesse alguma paciência por causa do meio familiar a mãe já foi cha.ada atenção e avisada sobre o sussedido desculpa do sempre as atitudes do filho a frente do mesmo nada e feito o meu filho continua a ser agredido ajudem me pk já não sei mais o k poço fazer

  • 2014-09-11 07:36:20

    Olá , Uma menina sofreu bulling hoje na escola e eu estava gravando, queria saber se ela denunciar eu , mesmo ela com uma ou duas provas , sem ter o video só provas com pessoas mesmo, ela consegue alguma coisa com esse tipo de denuncia... #AGUARDO #RESPOSTA

  • 2013-09-14 01:52:52

    eu ja sofri com bulling

  • LIDIANNY SANTIAGO

    2013-05-23 15:10:06

    O BULLING E UMA COISA MUITO SERIA

  • isabelly soares

    2013-05-15 00:53:13

    eu achei muito legal a divulgacao mais o que eles tinha que falar nao falou como antes de cometer o bullyng eles tinham que pensar primeiro pq se nao eles ou elas vao ver o que e arca com cosequencias e m uma delegacia

  • isabellysoares

    2013-05-15 00:50:09

    o buling e uma coisa muito covardica as pessoas nao pensa que se ela cometerem o bulling ela vai arca com as consequencias emuma delegacia

  • fernanda

    2013-05-07 12:19:53

    JA minha filha agredida verbalmente por uma educadora a nivel estadual sendo sua agressao de motivo futil e tenho ouvido por minha filha por outros coleguinhas dela q sempre ha agressao tbem cometidos pela mesma educadora nao importa o problema q ela passa no momento ela nao tem direito de fazer isso Bullyn traz muita vergonha contrangimento e mais acaba com a autoestima da crianca que esta ali na escola pra. Aprender. Aprender

  • iris meireles

    2013-04-27 21:14:27

    o bullying faz faze pessoas fica triste até não quer ir pra escola e até sair na rua

  • iris meireles

    2013-04-27 21:06:06

    O bullying deixa muitas pessoas triste tem até medo de ir pra escola ou até sai na rua com ameaças

  • wanderley machado santorio

    2013-03-24 21:57:39

    cabe a nos sermos sensiveis e monstrar para o aluno que estamos do lado dele,sendo até um pouco psicologo temos que orientar e encentiva o aluno e monstra -lo que e capaz de superar e não aceitarmos essas condições que aconteçe com as crianças temos saber o motivo que isso aconteçe conversa com os pais e monstrar asos donos da escola o que está acontecendo e monstrar a responsabiliade da escola.em chamar o pais para conversa se continuar toma medidas judiciais par projteje as crianças destes traumas.

  • thaina

    2013-03-21 19:25:39

    o bullying é algo muito comum na escola isso deveria ser mudado,já sofri bullying quando era mais nova e tinha vergonha de i para escola me sentia ameaçada

  • luana

    2012-11-28 07:41:50

    achei muito interessnte a divugação da pesquisa feita pelo site!!!

  • linda jamille

    2012-10-18 09:39:03

    bom isso ira me ajuda bastante , ja sofri mt bullying por causa do meu nome mais ja me adaptei .

  • geovana

    2012-08-29 14:13:49

    achei muinto interreçante vai me ajudar muinto a passa em um trabalho da feira de conhecimento

  • walfrede

    2012-07-04 11:47:01

    eu achei importante ter uma boa divugaçao ate porque essas pessoas que pratica bullying pensa que manda