As amizades do seu filho são boas?

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Existe uma frase de Santa Tereza que diz: ‘Todo o bem de uma alma está nas companhias’. Todos sabem que somos seres sociais, por isso nos relacionamos com outros, estamos expostos às suas influências, tanto para o bem como para o mal, assim que é muito importante para a gente que nossos filhos tenham bons amigos que lhes ajudem a crescer como pessoas e a desenvolver sua personalidade

A importância das amizades na vida das crianças

As amizades do seu filho

A relação do seu filho com outras crianças sempre é positiva. A criança precisa, assim como comer, relacionar-se com seus semelhantes, aqueles que estão na mesma situação e ao seu redor. A escola é o ambiente perfeito para que seu filho cresça em sociabilidade: aprenda com as brincadeiras e atividades em grupo e do trabalho em equipe, assim como exteriorizar sentimentos, a defender suas ideias e enfrentar seus pequenos problemas. Sem dúvida, ninguém pode viver numa bolha. Todos precisam dos outros para crescer. 

Mas, ao atingir certa idade em que já mostram certa dependência e critério, é muito importante os pais conhecerem as amizades dos seus filhos. Minha vizinha, na primeira vez que deixou seu filho sair sozinho para dar uma volta com seu amigo, o seguiu discretamente, somente para ver que não lhe aconteceria nada, para saber como era e como atuava o amiguinho do seu filho. Talvez você ache isso exagerado, mas com certeza é bom conhecer as amizades dos nossos filhos, conhecer seus amigos pessoalmente e ver como são e se possuem uma conduta aceitável ou boa, sabendo que cada criança tem uma personalidade mais ou menos inquieta

Já ouviram dizer que ‘Diga-me como quem andas e lhe direi quem você é’? Pois é, assim acaba sendo. Podemos conhecer um pouco mais do nosso filho, conhecendo seus amigos. De qualquer modo, quando são pequenos, sempre é mais fácil levá-los para um lugar ou outro. Quero pensar que os primeiros anos de vida familiar deixam marcas indeléveis. As relações sociais iniciadas no seio da família limitarão a possível má influência de outros grupos sociais. 

Chegará o momento em que eles escolherão suas amizades e não podemos ser seus guardiões, mas é muito bom que em algumas etapas prévias os ajudemos a escolher bons amigos ou predispor-lhes a um modelo concreto de amizade. Mas, se evitarmos fazer recomendações aos nossos filhos, outros o farão no nosso lugar e logo será muito tarde para corrigi-los. 

Patro Gabaldón
Redatora de GuiaInfantil.com