O que fazer se você não gosta dos amigos dos seus filhos

Aquela criança que o seu filho chama de amigo não deixa você muito feliz. O que fazer?

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Ao conversar com diversos pais sempre ouço alguma história sobre uma criança na classe do seu filho que tem um comportamento muito negativo: é agressivo, brigão, manipulador ou desobediente. Essas crianças são muito mal vistas pelos pais que acabam pedindo aos filhos que não se juntem a elas. 

As amizades das crianças são um dos motivos de preocupação dos pais, sobretudo quando não gostamos de alguns dos seus amigos ou achamos que são más influências. 

Quando os pais não gostam das amizades dos seus filhos

Quando os pais não gostam dos amigos dos filhos

É importante conhecer as amizades dos nossos filhos e, sobretudo avaliar se são positivas para eles. Os amigos são uma influência muito grande na vida da criança, por isso temos que estar atentos com quem nossos filhos estão se relacionando. 

No entanto, alguns pais levam essa atitude tão ao extremo que não aceitam a nenhum amiguinho dos seus filhos. Conheço alguns pais que vêem como uma ameaça, um perigo potencial e acabam isolando os filhos de quaisquer amizades. 

Por outro lado, também conheço meninos e meninas que desde cedo apresentam tendências muito agressivas e violentas com os outros, e tudo isso diante da indiferença dos seus pais. Essa atitude provoca que não queiramos que essa criança não se junte com o nosso filho pelo temor de que lhe possa causar algum dano moral ou físico, mas como fazê-lo? 

1 - O primeiro passo é perguntarmos se realmente é uma má influência para o nosso filho. Podemos convidá-lo para casa e passar um tempo com a criança ou com os seus pais para comprovar os seus valores, se são parecidos com os nossos, se é uma criança travessa ou se poderia levar o seu filho por um caminho não desejado. 

2 - Não proibir sem dialogar. Essa pode ser a primeira recomendação dos psicólogos. Se dermos uma proibição expressa contra a criança é provável que nosso filho ou filha se rebele contra ela e continue brincando com o amiguinho que não desejamos. No entanto, se tivermos um trabalho constante em fazer com que o nosso filho veja, com exemplos de coisas que já ocorreram, que esse amigo não é bom para ele, essa mensagem será entendida. 

3 - Se o suposto 'amigo' agredi-lo de forma repetida é necessário intervir e falar com a escola ou com os pais para que fiquem cientes do que acontece e possam dar um fim a essa situação. 

Seja como for, devemos explicar às crianças o que é amizade para que entendam e compreendam quando um amigo é bom ou ruim. Devem saber que os amigos de verdade são aqueles que não tentam nos prejudicar, que nos apóiam, gostam da gente e nos respeitam. 

Sabendo que todos nós somos influenciáveis, é importante notarmos o comportamento do nosso filho quando começa a se relacionar com algum amiguinho novo. O diálogo e a confiança ajudarão aos pais a interferirem, em algum momento, nas amizades dos filhos, afinal todo pai só quer o melhor para o seu filho. 

Alba Caraballo
Editora de GuiaInfantil.com