As boas e más influências dos amigos da escola

Como a amizade na escola influencia no desempenho de uma criança

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Nem todas as crianças têm dons de liderança, ainda que algumas gostem de ficar à frente da turma, outras preferem não tomar a iniciativa e somar e compartilhar as propostas alheias.

Muitas vezes, as crianças são submetidas a pressões por parte dos colegas, que tentam influenciar, mais ou menos descaradamente na sua forma de agir. Isso é algo que nossos filhos têm que lidar desde muito pequenos.

Os amigos da escola dos seus filhos

A influencia dos amigos das crianças

Um tanto chateado, meu filho de nove aos me contou que um amigo seu o acusou de ser 'nerd' quando decidiu com outros amiguinhos a criarem um clube de ciências. Suponho que esse amigo vendo um risco na sua relação com meu filho e o desejo que ambos compartilham com o futebol, procurou ‘jogar’ esse mal intencionado juízo de valor para que ele não se afastasse dele e dos seus gostos comuns. 

Naturalmente, eu expliquei ao meu filho porque seu amiguinho fez aquele comentário, e o incentivei a não ser submisso ou dependente de um único amigo, que deveria diversificar sua gama de amigos, ao mesmo tempo em que deveria convidá-lo a participar do seu novo projeto.  

Os companheiros de classe e amigos têm também uma influência positiva na criança. Eu me lembro de ter uma amiga que adorava desenhar e realmente ela o fazia muito bem e me ensinou a fazer caricaturas e eu aprendi muito a imitando. 

Da mesma maneira, creio que, quando numa sala de aula tem muitas crianças que são bons estudantes e se destacam por isso, o resto das crianças, que talvez num outro ambiente não fossem influenciadas, acabam se esforçando para estarem à altura dos mais admirados. Umas crianças podem servir de estímulo positivo para outras. 

A motivação é maior e mais efetiva quando vem do exemplo de semelhante. Porém, a influência dos iguais pode ser negativa quando o líder ou líderes do grupo não dão bom exemplo ou não se comportam bem. Nesses casos, devemos preparar nossos filhos para que não cedam aos desejos e ações contrárias aos seus valores e convicções.  

É fácil que as crianças cedam diante a uma pressão de outras pela curiosidade que se desperta entre elas, simplesmente pelo desejo de serem aceitas como parte do grupo, para cair bem, para que não tirem sarro dela, ou para que não se metam em problemas em irem contra a corrente. Podemos ajudar aos nossos filhos, dando-lhes conselhos para que possam se afastar das más influências: 

- Melhorar sua autoestima e que tenha um bom critério. 

- Conhecer aos amigos dos nossos filhos

- Ensiná-los a escolher os amigos, de acordo com seus desejos e comportamentos.

- Deixar o canal sempre aberto para que falem com a gente sobre qualquer assunto, diante qualquer pressão ou abuso

- Que nosso filho se alie com algum outro companheiro ou amigos para dizer com convicção mais facilmente o ‘não’. 

- Não limitar a amizade a um só grupo de pessoa. Ensinar às crianças que se dêem bem com todos os companheiros. 

- Avisá-los dos riscos de ceder às más influências e se fazer respeitar

Patro Gabaldón