Os bebês choram em diferentes idiomas

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Um bebê de pais alemães não chora igual a um bebê de pais franceses. O choro de um bebê reflete aspectos da linguagem que os seus pais utilizam. Cientistas da Universidade de Wurzburg, Alemanha, aprenderam a diferenciar se um recém-nascido é francês ou alemão pela sua forma de chorar

A linguagem do choro dos bebês

os-bebês-choram-em-diferentes-idiomas A 

- Bebês franceses: A pesquisa revela que os bebês franceses de três dias de nascidos aumentam a intensidade do choro progressivamente, passando de um tom mais grave para outro mais agudo até alcançar o final do choro. 

- Bebês alemães: Os bebês alemães, pelo contrário, começam chorando a todo volume e com uma frequência aguda, reduzindo a intensidade e a frequência mais grave ao final do choro. 

É incrível o que um bebê pode aprender ainda no ventre da sua mãe. A linguagem que sua mãe emprega tem influência sobre o tipo de choro que o bebê apresentará quando nascer. Os pesquisadores dizem que o bebê desfruta quando sua mamãe fala com ele ou canta músicas, mas que não é necessário que as gestantes o façam para estimular o aprendizado do pequeno. O bebê aprenderá de todos os modos escutando o que sua mãe diz aos outros. 

Outros estudos têm demonstrado que o feto é capaz de perceber sons do mundo exterior no terceiro trimestre de gestação e que é capaz de recordá-los. Será por isso que quando o bebê nasce ele reconhece a voz da sua mãe e a distingue da voz de outras pessoas. O choro é uma forma de comunicação dos bebês e o seu perfil melódico reflete aspectos da linguagem maternal. O que ainda fica por investigar é até que ponto a exposição do feto à linguagem pré-natal influencia no posterior desenvolvimento emocional ou linguístico do bebê

Vilma Medina

Diretora de GuiaInfantil.com