Educar para que as crianças não mintam

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

As crianças mais velhas usam a mentira de forma mais elaborada do que as menores, e, seguramente, mais de uma vez já tentaram nos enganar que já tinham feito os deveres para saírem para brincar ou para assistir televisão

Graças à mentira, elas podem conseguir um benefício, que sendo sinceros não conseguiriam. A idéia é fazê-las compreender, o quanto antes, que falar a verdade é sempre vantajoso, já que mais cedo ou mais tarde a mentira terá consequências contra ela mesma, afinal a ‘mentira tem pernas curtas’. 

Como incentivar a honestidade e a sinceridade nas crianças 

A nós, os pais, as crianças poderiam nos enganar uma ou duas vezes, no máximo, porque finalmente cairão vitimas da nossa contínua suspeita. Talvez premiar seu reconhecimento da realidade ajudará que no futuro elas não procurem o recurso da mentira. Na idade escolar é fundamental incentivar a honestidade e que a criança diga a verdade sempre, ainda que custe algo, porque muitas vezes outros ‘pagam o pato’ das nossas mentiras, e, futuramente, acabará repercutindo e afetando mais se tivéssemos falado a verdade. 

É muito freqüente que as crianças mintam pela pressão social, para se destacarem entre os seus amigos ou para fugirem de uma situação vexatória ou pelo castigo. Devido a essa pressão, os pais devem ensiná-las a não mentir. Os pais devem fazer a criança entender que o fácil nem sempre é a solução. Se a criança reconhece o seu erro e pede perdão, não há juiz que não tenha clemência pela nobreza e a humildade que essa decisão implica. 

Os pais também devem ser exemplos de honestidade no seu dia a dia para que a criança se espelhe neles. Outro fator que ajuda no ensino é a cumplicidade entre pais e filhos. Pais presentes e que apóiam o filho em qualquer situação, transmite segurança para que a criança fale sempre a verdade. 

Contos que educam contra a mentira 

Eu sempre conto a conhecida e útil fábula ‘O garoto pastor e o lobo’ para os meus filhos. O menino mentia muito para pregar peças nos outros pastores. Quando ele mais precisava, ninguém acreditou que ele falava a verdade e acabou perdendo quase todo o seu rebanho. Agora, meu filho mais velho, conta aos menores para que não mintam e lhes diz: ‘todos nós erramos alguma vez e temos que dizer a verdade, porque uma vez que a gente fica com a fama de mentiroso, não temos mais como evitar’. Outra história conhecida é do menino Pinóquio, que o nariz crescia mais e mais a cada mentira dita. 

É muito útil ensinar às crianças as consequências de uma mentira, já que uma mentira chama outra até formar um novelo gigantesco, difícil de desenrolar. 

Nós, pais, também não devemos praticar a mentira, porque a mentira, como muitas coisas, é uma conduta aprendida dos adultos que a empregam fundamentalmente para ocultar algo com toda normalidade, como por exemplo, quando você não quer atender alguém ao telefone e pede para o seu filho dizer: ‘diga que não estou’. Como você vai poder ensinar seu filho a não mentir, se você mente? Não deixe que seu filho seja cúmplice de uma mentira, por mais inocente que ela possa parecer. 

Patro Gabaldón