Uma professora explica com duas maçãs o que é o bullying

Vilma Medina

Vilma Medina

Nesse dia, a professora Rossie Dutton queria explicar aos seus alunos o que é bullying. Ela pensou como podiam entendê-lo. Ela não está especializada em psicologia infantil. Pensou que a melhor maneira de entender algo que não se vê é fazer com que a criança enxergue! 

Escolheu duas maçãs vermelhas e antes de entrar em sala de aula ela deixou cair uma delas várias vezes ao chão, com delicadeza para que não se machucasse por fora, mas totalmente segura do que estava ocorrendo no interior da maçã. O que ela fez ao entrar na sala de aula? 

Como duas maçãs podem explicar às crianças o que é o bullying

uma-professora-explica-bullying-maçãs A 

A professora mostrou aos alunos duas maçãs. Por fora, eram praticamente iguais. Mas, ela sabia (e somente ela) qual maçã era diferente por dentro. 

Rossie pediu aos seus alunos que dissessem coisas muito feias a uma maçã (a que previamente tinha sido machucada). Eles a insultaram e lhe disseram coisas horríveis: ‘nojenta, você é horrível’, ‘cheia de vermes’, ‘cheira mal e tem uma cor horrorosa’. Em seguida, pediu que dissessem à outra maçã coisas bonitas. Assim que obedeceram e lhe dedicaram todo tipo de elogios: ‘você é linda, maravilhosa e que cor brilhante’... 

'Agora, disse Rossie, eu vou mostrar pra vocês como as palavras ruins fizeram danos à maçã’. A professora abriu as duas maçãs e os alunos observaram horrorizados como uma delas estava cheia de manchas escuras. Estava feia e machucada. 

Por fora, ambas as maçãs pareciam iguais, mas a maçã que recebera insultos era muito diferente por dentro: estava cheia de ‘machucados’. Dessa forma, os alunos entenderam o que é o bullying, o desprezo e o que as palavras ruins podem fazer muito dano no interior de uma criança, ainda que por fora pareça que nada acontece. 

A professora compartilhou sua experiência: ‘Acredito isso iluminou de imediato a cabeça das crianças. Elas entenderam que o que vimos nessa maçã, os machucados, a cor escura e os pedaços o que estava acontecendo dentro de cada um de nós quando alguém nos maltrata com suas palavras ou ações’... ‘Se não tivéssemos cortado a maçã, nunca teriam sabido que essa maçã estava ruim daquele jeito’. 

Uma das meninas da sala tinha se negado a dizer coisas feias à maçã. ‘Temos que ser como ela, lhes disse Rossie aos seus alunos, porque vocês têm a capacidade de evitar que nenhuma maçã se estrague por dentro’. 

Fantástico o exemplo e genial a professora Rossie Dutton, de Staffordshire (Inglaterra). 

Estefanía Esteban

Redatora de GuiaInfantil.com

Como colocar um fim ao bullying ou assédio moral nas escolas

Como colocar um fim ao bullying ou assédio moral nas escolas

A gente não conhece os seus nomes, mas sim o pesadelo que vem passando. O bullying é mais cruel e danoso do que uma pistola. E muito mais doloroso. Com frequência invisível. E tão letal que às vezes termina em suicídio.

A menina que mobilizou 4 milhões de pessoas contra o bullying

A menina que mobilizou 4 milhões de pessoas contra o bullying

O bullying está tão presente em nossas sociedades que é fácil encontrar diariamente nos meios de comunicação notícias trágicas de crianças que sofrem ou sofreram abuso escolar. Alguns lamentavelmente perderam a batalha e outros, como Lexie dão um sentimento de esperança a todas essas crianças que continuam sofrendo.

5 erros dos pais diante do assédio moral ou bullying

5 erros dos pais diante do assédio moral ou bullying

O assédio moral ou bullying é um tema muito sério que pode afetar o seu filho mais do que você pensa. Qualquer criança pode ser vítima do assédio. Não porque tenha algo de especial. Sem que nem pra que outra criança decide quem será sua vítima de chacotas. Na escola, antes um lugar seguro e amável se transforma num autêntico pesadelo para qualquer criança.

Bullying escolar. Veneno para a saúde física e emocional das crianças

Bullying escolar. Veneno para a saúde física e emocional das crianças

Quando você vai a uma reunião com o professor do seu filho na escola, o que te preocupa mais? Suas notas, seu comportamento ou o seu estado de ânimo? Eu não consigo acreditar que um pai ou uma mãe em que o professor comente que o seu filho se porte mal, não respeita a ninguém e ainda por cima torna a vida impossível aos seus companheiros de escola, não tome nenhuma medida para mudar essa situação.

O que permite e não denuncia o bullying é cúmplice

O que permite e não denuncia o bullying é cúmplice

Quando se fala do bullying escolar a gente pode colocar o foco sobre a vítima e o agressor, mas o que acontece com todos os espectadores que são conscientes do que está acontecendo e não fazem nada? No caso de bullying não existe apenas dois implicados: vítima e agressor. Existe um terceiro que deve ser implicado: o espectador.

0 comentarios