Os primeiros amores das crianças

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Desde que nascem os bebês necessitam muito de carinho, proteção e dos braços dos seus pais ou de algo, um algum objeto ou brinquedo, um ursinho de pelúcia, que esteja sempre com eles e que os façam sentir-se mais seguros. Necessitam de um ‘companheiro’, de um ‘amiguinho’, de um amor! Minha filha já teve muitos amores e paixões na sua vida. Desde uma mantinha, um ursinho de pelúcia até um boneco que nos tem acompanhado durante anos. 

O amor das crianças pelos seus brinquedos

O primeiro amor dos bebês

O amor das crianças pelos seus brinquedos é um sentimento quase de independência. Eu me lembro perfeitamente que quando minha filha tinha uns dois aninhos, ela se apaixonou por ‘Lala’ dos ‘Teletubbies’. Ele chamava sua atenção por causa da cor amarela e ficava encantada ao chupar a anteninha ondulada que Lala tinha na sua cabeça. Uma vez saímos de férias para a casa dos avós, que vivem em outro país, e Lala ‘se perdeu’. Quanto sofrimento! Procuramos seu boneco por todos os lugares e nada. E minha filha não parava de chorar. No final, sua avó foi a uma loja de brinquedos e comprou uma nova Lala para ela. E ainda que minha filha se desse conta de que não era a mesmo boneco, ela acabou aceitando porque não havia mais remédio. 

Logo, sua outra paixão foi por Buzz Lightyear, um dos personagens do Toy Story, e do ‘até ao infinito e mais além’. Foi amor à primeira vista! Um presente que veio de brinde ao consumir um cardápio infantil de uma cadeia de lanchonetes. Eram inseparáveis! 

Quando ela fez um aninho, seu grande amor foi um boneco que demos o nome de Jaimito. Seu amor durou anos. Durante anos Jaimito viajou com a gente por todos os lados. Jaimito era como o irmão menor da minha filha. Ela dava banho nele, trocava as roupinhas, pintava o rosto no Carnaval... Como minha filha o amava! Mas ainda que o seu amor tenha sido longo, ela acabou trocando-o por um ursinho de pelúcia, de cor violeta. Esse ursinho se chamava Javi. Sem seu ursinho ela não podia dormir, assim que quase contratamos um guarda-costas para Javi para que não se perdesse.

Além dos brinquedos, minha filha teve vários amores: uma mantinha ‘mágica’ que a acalmava e a fazia dormir nos primeiros meses de vida; Dumbo o elefante que voava dos desenhos animados, os livros de contos, seu cachorro... O certo é que esses amores que ela se apegava, deu à sua vida muita alegria e afetividade, e de amor, é claro! 

Vilma Medina
Diretora de Guiainfantil.com