Como chegar ao coração dos filhos

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Algumas dessas calorosas noites de verão, em que as crianças costumam ir para a cama mais tarde como privilégio das férias, meu marido se senta com eles nas escadas da entrada da casa, sob a luz das estrelas e lhes conta histórias de todo o tipo. 

Às vezes são contos, às vezes argumentos de livros clássicos, às vezes são, inclusive, lições simples da natureza. Mas, meus filhos escutam sempre encantados, tanto como quando os coloco diante da televisão para assistir o seu filme preferido! 

Como transmitir amor aos filhos

como-chegar-ao-coração-filhos A 

Logicamente, meus filhos adoram ficar com seu pai e eu acredito que existe um componente essencial nesses momentos tão especiais: o cenário. Eu me explicarei: durante as aulas, as crianças nunca dormem tarde, nem saem ao exterior da casa pela noite (salvo em ocasiões excepcionais). Assim que, estar um momento fora no silêncio da noite de verão é como estar num anfiteatro romano desfrutando do espetáculo mais especial. 

Conto isso porque acredito que, ainda que seja verdade que ‘quando você quer algo, algo lhe custa. Às vezes renunciamos ao senso comum e aceitamos de forma fácil que o custo do que queremos sempre é dinheiro. E se é verdade que o dinheiro não compra a felicidade, no caso das crianças, eu estou convencida de que não compra quase nada; porque elas não são conscientes do seu valor (falo dos pequenos menores de oito anos). Por isso, ainda que nos empenhemos em que tenham melhor formação levando-as a escolas especializadas, ou a atividades extraescolares, ou contratemos professores particulares, nem sempre conseguimos deles o interesse que requer da sua parte para aproveitar o que lhes oferecemos.  

No entanto, em ocasiões especiais, como colocá-los por trás do teatro de marionetes ao invés de serem somente espectadores e eles mesmos criarem suas histórias, ou dar-lhes os utensílios de limpeza ou de jardim para que nos ajudem, ou dar-lhes moedas para que eles comprem o pão, ou dedicar-lhes uns minutos pela noite nas escadas, isso faz com que eles abram os seus olhos, o seu coração e a sua mente de forma que aprendem sem esforço coisa que nem o melhor especialista que paguemos poderá transmitir-lhes. Sem dúvida alguma, o senso comum, a improvisação, a dedicação e, é claro, o amor que lhes oferecemos são ferramentas imprescindíveis na formação dos nossos filhos e não se pode comprar com o ouro de todo o mundo. 

Patro Gabaldón

Redatora de Guiainfantil.com