Como se transmite otimismo às crianças

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

‘Se eu pudesse escolher outra vida eu gostaria de escolher a dos meus filhos. São os que passam melhor e agora que as férias de Natal estão chegando, ainda mais’. Assim me dizia uma amiga, que ao mesmo tempo se queixava de tudo o que tinha que fazer para se desdobrar para que os seus filhos levassem uma vida cômoda, fácil, divertida, despreocupada, sem carências e com muito mais do que realmente necessitam na realidade.

O otimismo é uma obrigação ética

como-se-transmite-otimismo-crianças A

Essa dedicação altruísta dos pais, essa generosidade, essa entrega aos filhos para criá-los ‘entre as nuvens’ é uma moeda de duas caras. Os especialistas consideram que estamos construindo crianças de cristal, fortes, mas frágeis, e, em muitos casos fica faltando que o ‘boomerang’ da relação entre pais e filhos tome o caminho de volta aos pais carregado de carinho, respeito e reconhecimento que somente um filho pode oferecer ao seu pai como o tesouro mais precioso da vida. 

As pessoas que não recebem essa resposta positiva são, na sua maioria dos casos, as que estão desejando que o Natal passe logo antes mesmo dele chegar. O Natal é uma data preciosa para a ternura, para o carinho, para passar horas na cozinha, para desfrutar com longas e despretensiosas conversas, para ler um livro que você está querendo muito e nunca tem tempo e para ter momentos de solidão consigo mesmo. 

Aproveitar este momento do ano para ter os seus familiares por perto, para estreitar laços que sirvam para retroalimentar as relações, ‘lixar asperezas’ e se esquecer dos conflitos bem que poderia ser nosso objetivo este ano. Nesse sentido nos chega a mensagem que o escritor e psicólogo Javier Urra vem querendo transmitir aos pais neste Natal

Em uma entrevista concedida com exclusividade para Guiainfantil.com, Urra recomenda ‘a todas as famílias, sejam tradicionais, monoparentais ou reconstruídas que não existe nenhuma garantia de um amanhã, que a família vivencie bem o hoje e transmitam carinho. Se existirem separações ou grandes problemas devem tentar não ruminar idéias negativas e entender que os filhos não são os culpados. Deve-se ensinar aos filhos e também aos adultos que precisam saber gerenciar a vida na ruptura, na incerteza e no conflito’.  

Colocando em prática essas idéias, os pais também podem passar grandes momentos neste Natal, inclusive melhor que nossos filhos. Desde a perspectiva e da maturidade, sabemos que quando semeamos, colhemos, e que a essência da felicidade reside nas emoções simples e verdadeiras. Nos dias de hoje, como declarou Javier Urra, ‘o otimismo é uma obrigação ética’.

Marisol Nuevo

Redatora de Guiainfantil.com