As náuseas e vômitos durante a gravidez protegem ao bebê

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Durante meus primeiros três meses de gravidez eu estive indisposta. Náuseas diante de cheiros, vômitos pelas manhãs e ardor estomacal após as refeições. Incômodos similares já escutei de amigas minhas. Pois hoje, meninas, deixem-me contar-lhes que esses mal-estares parecem ser sinais de uma gravidez saudável segundo uma recente pesquisa médica. Os resultados desse estudo revelam que as náuseas e os vômitos diminuem o risco de perder o bebê que se espera.   

Boa notícia para as gestantes que sentem náuseas

as-náuseas-e-vômitos-durante-a-gravidez A 

Segundo um recente informativo do Instituto Nacional da Saúde (NIH) dos Estados Unidos, a crença popular de que as náuseas e vômitos estão associados a uma gravidez saudável foi confirmada. O estudo se realizou justamente após a concepção em 797 mulheres que deram positivo em seu teste de gravidez, 188 das quais terminaram perdendo o seu bebê. Durante a oitava semana de gestação, entre as avaliadas, 57,3% das mulheres informaram sentir náuseas e 26,6% afirmou ter náusea com vômitos.  

Segundo os pesquisadores as mulheres que disseram apresentar esses mal-estares tiveram entre 50 e 75% menos probabilidades de ter uma perda da gravidez, comparadas com as mulheres que não experimentaram esses sintomas. 

A pesquisa difundida pela revista especializada JAMA Internacional Medicina concluiu que as náuseas e os vômitos experimentados pelas mulheres, geralmente durante o primeiro trimestre de gestação, protegem ao feto contra as toxinas e patógenos nos alimentos e bebidas, confirmando a associação protetora entre esses sintomas e um menor risco de perda da gravidez. 

O avanço dessa pesquisa consiste em que estudos realizados previamente não conseguiram obter informação com tanto detalhe, uma vez que se realizavam nos sintomas que as mulheres lembravam ter. Dessa vez, as mulheres realizaram um registro diário dos seus incômodos da segunda à oitava semana de gestação e logo até a 36ª semana e responderam a um questionário mensal. 

Viviana Marín

Redatora de GuiaInfantil.com